Itália com maior queda na produção industrial em quatro meses

Esta queda no mês de novembro corresponde a uma tendência semelhante aos declínios de produção industrial na Alemanha, França e Espanha. Segundo o gabinete de estatística ISTAT, a produção industrial italiana tombou 1,6% em novembro de 2018, após ter recuado 0,1% em outubro.

Italiaexit

A produção industrial italiana caiu mais do que o esperado em novembro, somando-se a uma série de divulgações de dados económicos que mostram que a economia na zona do euro desacelerou, e que fazem com a Itália se junte à Alemanha numa provável recessão em 2019.

Segundo o gabinete de estatística ISTAT, a produção industrial italiana tombou 1,6% em novembro de 2018, após ter recuado 0,1% em outubro. Trata-se da maior queda neste indicador desde o passado mês de julho, quando a produção industrial tinha diminuído 1,8%. Quanto à produção de bens intermediários, caiu 2,4%, a de bens de capital perdeu 1,7% e a de bens de consumo teve uma variação negativa de 0,9%.

 

Apesar deste balanços ser referente aos últimos meses de 2018, existem motivos para que as perspectivas para este ano não sejam as melhores, tendo em conta o cenário económico, político e financeiro em Itália. Na quinta-feira, o membro do conselho do Banco Central Europeu (BCE) François Villeroy de Galhau disse que os legisladores devem considerar algumas ameaças para o futuro, nas quais se incluem o ‘Brexit’, o amadurecimento dos Estados Unidos e “inúmeras incertezas” na China.

Ler mais
Relacionadas

União Europeia e Itália chegam a acordo sobre orçamento para 2019

A proposta orçamental italiana baixa a previsão de défice para 2,04% do Produto Interno Bruto e prevê cortes na despesa de 4 mil milhões de euros.

Itália propõe baixar défice público para 2,04% do PIB em 2019

Giuseppe Conte, chefe da coligação populista no poder em Roma, formulou esta proposta durante um encontro na capital belga com o presidente da Comissão europeia, Jean-Claude Juncker.
Recomendadas

Os cinco problemas da economia angolana aos olhos do FMI

O Fundo Monetário Internacional aprovou a segunda tranche de financiamento para Angola no valor de 248,15 milhões de dólares, mas identificou cinco desafios que as autoridades angolanas devem fazer de tudo para ultrapassar, entre os quais a diversificação económica.

Governo estima atribuir 156 mil novas pensões este ano

Os dados foram avançados por Mário Centeno na Comissão do Trabalho e da Segurança Social, em resposta a críticas dos deputados sobre atrasos na atribuição de pensões.

“Sem fundo de garantia de depósitos comum, união bancária é insuficiente”, afirma economista-chefe do FMI

Gita Ginopath, economista-chefe do Fundo Monetário Internacional, disse que o “próximo passo” para o reforço da união bancária passa pela construção do fundo de garantia de depósitos comum, elemento fundamental para o futuro da União Económica e Monetária. E, para a união dos mercados de capitais, defendeu a construção de “instituição central para instituições não financeiras”.
Comentários