Itália: revolução das sardinhas contra Salvini

Movimento antifascista nasceu há um mês nas redes sociais e pretende denunciar o discurso “de ódio e divisão” de Matteo Salvini, ex-número dois do governo e chefe da Liga.

Eles, os italianos, estavam “apertados como sardinhas numa lata”. Várias dezenas de milhares de ‘sardinhas’, como se chamam os defensores de um movimento antifascista italiano muito jovem, reuniram-se este sábado numa das maiores praças de Roma, em frente à Basílica de São João de Latrão.

“A idéia era preencher o local (…) e o objetivo parece alcançado”, alegraram os organizadores. No Facebook, onde o movimento nasceu há um mês, cerca de 100 mil pessoas inscreveram-se para participarem no comício, cujo objetivo é denunciar o discurso de “ódio e divisão” de Matteo Salvini, ex-número dois do governo e líder da Liga, partido da extrema direita.

O movimento ‘sardinha’ nasceu em 14 de novembro em Bolonha, à margem de uma reunião de Matteo Salvini na cidade estudantil. Quatro estrangeiros organizaram uma contra-demonstração nas redes sociais, cujo slogan inicial era apenas uma piada: “Sem bandeira, sem partido, sem insulto: crie a sua própria sardinha e participe na primeira revolução dos peixes da história”. Contra todas as probabilidades, o evento reúne cerca de 15 mil pessoas.

Desde então, dezenas de manifestações, pontuadas pela música Bella Ciao, ocorreram em todo o país. Reuniram um total de 300 mil pessoas em Milão, Florença, Nápoles e Palermo. A idéia é “trazer uma nova energia através de uma forma muito mais livre e espontânea” do que a outra parte, adotando uma organização “que não será hierárquica”, mas definirá “direções amplas” , sublinhava feira Mattia Santori, 32 anos, investigadora em Economia e treinadora voluntária de desporto em associações não lucrativas.

“Corremos um risco, acreditando que a sardinha é a solução para todos os males. Mas a sardinha não existe, são pessoas que preenchem o espaço público com as suas ideias e veem um inimigo, o pensamento simplificado do populismo”, disse Mattia Santori à multidão.

“Faremos o possível para implementar as suas propostas”, reagiu Nicola Zingaretti, secretária do Partido Democrata, no poder com o Movimento 5 Estrelas. Virginia Raggi (do M5S), autarca de Roma, agradeceu às sardinhas “pela energia trazida à nossa cidade” .

Na praça, a multidão cantou novamente com grande entusiasmo Bella Ciao, a canção mais famosa dos antifascistas italianos, Próximo objetivo das sardinhas: alcançar cidades pequenas e territórios frágeis que provavelmente cederão com facilidade “às ideias simplistas do populismo”.

Ler mais
Recomendadas

Cerca de 7000 pessoas em fuga do Níger

O Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados refere que estas pessoas estão em fuga devido à insegurança e à violência gerada por um ataque à cidade de Chinégodar.

Líbia: Merkel diz que houve acordo para respeitar embargo das armas

A chanceler da Alemanha diz que o embargo será controlado de forma mais rigorosa do que antes.

“Racismo” e “preconceito”. Isabel dos Santos reage a investigação jornalística a nível mundial

Os Luanda Leaks têm 715 mil documentos, entre e-mails, contratos, auditorias, e contas que foram obtidas por uma plataforma de denunciantes em África (PPLAAF), que depois foi partilhada com a ICIJ.
Comentários