J.J. Abrams é avaliado em 446 milhões de euros e volta a assinar contrato com Warner

Apesar de o atual contrato ainda não ter chegado ao fim, a Warner quis assegurar um dos maiores produtores da atualidade.

“Perdidos”, “Felicity”, “Missão Impossível 3”, “Star Trek” e “Star Wars: O Despertar da Força” são apenas algumas obras que se encontram no vasto currículo de J.J. Abrams. O conhecido realizador e produtor vai ficar “em casa”, segundo o jornal espanhol ‘El Mundo’.

Foram precisos três meses de negociações com os diversos pretendentes que este tinha na palma da mão. Um desses pretendentes era o novo canal televisivo da Apple, mas foi a proposta da WarnerMedia que o atraiu para a renovação do contrato de colaboração com a sua empresa ‘Bad Robot’.

Apesar de o atual contrato ainda não ter chegado ao fim, a Warner decidiu assegurar um dos maiores produtores da atualidade. Fontes ligadas à área estimam que o realizador possa ser avaliado em 500 milhões de dólares (cerca de 446 milhões de euros). Nesse caso, Abrams é o produtor e realizador mais valioso. Atrás de si está, então, Greg Berlanti, criador do universo dos heróis, com 400 milhões de dólares (357 milhões de euros), seguido por Ryan Murphy, criador de séries como ‘American Horror Story’, que se mudou para a Netflix por 300 milhões de dólares (267 milhões de euros).

Shonda Rhimes, a rainha de ‘Anatomia de Grey’ e ‘Scandal’, assinou um contrato com a Netflix por 100 milhões de dólares (89 milhões de euros), enquanto Lisa Joy e Jonathan Nolan, responsáveis por ‘WestWorld’, migraram da Warner para a Amazon por 150 milhões de dólares (133 milhões de euros).

Com o novo contrato, J.J. Abrams e a empresa que detém com a mulher, ‘Bad Robots’, continuam associados à Warner, com quem trabalham desde 2006. Netflix, Amazon, Comcast e Sony Entertainment também estavam na corrida para ficar com Abrams.

Recomendadas

PremiumPortugal é considerado o berço internacional da inovação têxtil e do calçado

A aposta na internacionalização e no aumento das exportações só foi possível depois de mudança de paradigma: a indústria já não compete pelo preço, mas pelo que de surpreendente lança no mercado.

Espanha domina 70% das obras públicas na ferrovia nacional

O presidente da Associação de Empresas de Construção e Obras Públicas e Serviços (AECOPS), Ricardo Pedrosa Gomes, considera que a percentagem é “desproporcionada” e nota que “nunca existiu reciprocidade no mercado espanhol”.

Mau tempo: Voos desviados no aeroporto do Porto

As “condições meteorológicas adversas” estão provocar o desvio de pelo menos nove voos no Aeroporto Sá Carneiro, distrito do Porto, disse à Lusa fonte oficial da ANA Aeroportos.
Comentários