Já faltam edifícios em Lisboa para reabilitar

Falta de edifícios por reabilitar no centro histórico leva a expansão para outras zonas da cidade. Atualmente encontram-se em construção mais de 180 edifícios, a maioria projetos de reabilitação.

Segundo o estudo da consultora CBRE, “Lisbon Residential Brick Index”, começam a ser poucos os edifícios por reabilitar para venda no centro histórico, pelo que se prevê que se acentue a expansão da promoção para outras zonas da cidade e comecem a ser construídos mais projetos de raiz e com maior dimensão.

Atualmente encontram-se em construção mais de 180 edifícios, a maioria projetos de reabilitação (versus construção de raiz). Cerca de 100 deverão ficar concluídos até ao final de 2017, registando um aumento de 89% face ao ano passado e colocando no mercado mais de 1.000 novas frações.

A zona que concentra o maior número de edifícios em construção é a da Baixa e Castelo, ultrapassando o Chiado, Bairro Alto e São Paulo, com cerca de 40 projetos a decorrer. Acentuou-se igualmente a construção nas Avenidas Novas, Campo de Ourique, Estrela e Lapa, assim como Liberdade e Príncipe Real.

No total, a consultora estima que tenham sido concluídos cerca de 53 edifícios de habitação na capital do país, mais 13 que em 2015, colocando no mercado um número superior a 550 frações.

Segundo Francisco Sottomayor, diretor de promoção da CBRE, “à semelhança do verificado no ano anterior, o número de apartamentos de dimensões reduzidas, isto é, estúdios, T1 ou T2, continua a representar 65% da atual oferta em comercialização, confirmando o claro posicionamento para o investimento no mercado de arrendamento de curta duração, resultante do boom turístico a que se tem assistido na cidade”.

O preço médio dos fogos em construção e comercialização é de 5.960 euros/m2, um valor 7% superior ao registado em 2015. A zona com o valor médio mais elevado é o Chiado, Bairro Alto e São Paulo, seguida da Avenida da Liberdade e Príncipe Real, com preços de 6.700 euros/m2 e 6.620 euros/m2, respetivamente. Pelo contrário, o Lumiar e Alta de Lisboa regista o menor valor com cerca de 4.100 euros/m2, situando-se 31% abaixo do valor médio de mercado.

Os valores máximos unitários mais elevados chegam a atingir os 12.000 euros/m2.

Valor de arrendamento em Lisboa subiu 23%

Também se verificou uma subida substancial nos valores de arrendamento, confirmada pelos dados do SIR, segundo os quais, o valor médio dos arrendamentos contratados na cidade de Lisboa em 2016, foi de 830 euros mensais (10,6 euros/m2/mês), revelando um acréscimo de 23% face ao período homólogo. Nos imóveis novos, este valor ascendeu a 1.070 euros mensais (13,8 euros/m2/mês).

As zonas residenciais de Lisboa onde os valores de arrendamento são mais elevados são o Parque das Nações, com valores médios mensais de 1.080 euros (11,9 euos/m2) e as Avenidas Novas com 998 euros (11,8 euros/m2).

Ler mais
Recomendadas

Produzir biocombustíveis pode afetar biodiversidade tanto como alterações climáticas

“Descobrimos que a combinação das alterações climáticas com a expansão em larga escala das culturas para biocombustíveis ameaçam cerca de 36% dos habitats de todas as espécies de vertebrados, incluindo muitas que já hoje estão sujeitas a um trabalho importante de conservação”, disse Stephen Willis, da Universidade de Durham.

Bombeiros: 95% das corporações do distrito de Lisboa deixaram de informar CDOS

O presidente da federação, António Carvalho, disse à Agência Lusa que apenas três das 56 corporações de bombeiros voluntários estão a informar o CDOS de Lisboa.

Governo vai fazer estudo sobre nova linha férrea no Vale do Sousa

O secretário de Estado discursava para algumas centenas de pessoas que hoje assistiram em Rebordosa, Paredes, à apresentação de um estudo preliminar para a construção de uma linha de caminho de ferro que ligue Valongo a Felgueiras, passando pelos concelhos de Paredes, Paços de Ferreira e Lousada.
Comentários