Já são conhecidos os vencedores do ‘hackathon’ colaborativo da Santa Casa

A maratona de duas semanas de discussão dos desafios e duas semanas de trabalho, visou o desenvolvimento de soluções para um futuro da Economia Social mais sustentável.

O ‘Hackathon 100% Colaborativo’ da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa visa premiar estudantes, recém-licenciados, membros das comunidades alumni e colaboradores de organizações sociais, que se juntam para desenhar o futuro da economia social. Na edição de 2021, os desafios lançados incidiram sobre quatro áreas-chave do sector: digitalização, futuro do trabalho, sustentabilidade e avaliação de impacto na economia social.

A maratona de duas semanas de discussão dos desafios e duas semanas de trabalho, visou o desenvolvimento de soluções para um futuro da Economia Social mais sustentável. Realizou-se num formato totalmente digital através da plataforma TAIKAI, onde participaram 80 pessoas de diferentes áreas de conhecimento e experiências profissionais, que compuseram as 16 equipas participantes – quatro equipas totalmente dedicadas a cada um dos quatro desafios propostos.

Na categoria da “Digitalização da Economia Social”, o projeto vencedor foi o Dá+, um marketplace 100% solidário para a doação de produtos e artigos para entidades da economia social e a população.

O projeto Rede de Mentores Reformados, foi o vencedor do desafio “O futuro do trabalho no sector da Economia Social”. Trata-se de um programa que recruta reformados com ampla experiência em diversas áreas de negócio que querem contribuir com as organizações sociais em pro-abono;

O vencedor do desafio “A sustentabilidade da Economia Social” foi atribuído à +Social – rede social para o terceiro sector para que a sociedade civil, as organizações da economia social, empresas e investidores sociais possam comunicar entre si, através de publicações de novidades do sector (ofertas de trabalho, oportunidades de voluntariado, concursos, financiamento, etc.).

Por fim, a Joint4Impact, uma plataforma que faz a avaliação de impacto de soluções, através dos objetivos para o desenvolvimento sustentável e o ‘Impact Management Project’, que complementa com indicadores específicos para cada área de intervenção, gerando um relatório de impacto para melhoria contínua de solução, escala e obtenção de financiamento, por exemplo, venceu a categoria “A avaliação de impacto na Economia Social”.

“Com esta iniciativa pretendemos incentivar a colaboração no sector, capacitar as equipas com os workshops e as masterclasses ao longo das semanas, dotá-los de uma série de ferramentas e unir o know-how de diversas organizações a responder aos desafios e desenhar uma estratégia para a Economia Social”, esclarece Inês Sequeira, diretora do Departamento de Empreendedorismo e Economia Social (DEES) da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, fundadora e diretora da Casa do Impacto da mesma organização, e entidade organizadora da iniciativa.

A responsável salienta “o mérito das equipas que conseguiram em tempo recorde trazer inovação para o sector da Economia Social, compreenderam a dimensão dos problemas e desenvolveram projetos muito capazes. O próximo passo é organizar encontros de discussão e de capacitação com os projetos vencedores para percebermos como podemos ajudar a implementar as soluções, em conjunto com os nossos parceiros”.

Sérgio Cintra, administrador da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, refere que a Santa Casa “tem o papel de se adaptar, prever e incentivar a criação das novas respostas. Voltámos a organizar o Hackathon para desafiar e inquietar, com fim à inovação, num ano pandémico e em que Portugal marca a agenda europeia para a próxima década, com o seu apogeu na Cimeira Social do Porto. Todos estes acontecimentos provocaram uma consciencialização profunda e generalizada do papel da comunidade para a transformação e melhoria das condições de vida das populações, para que ninguém fique para trás”.

Por sua vez, Rita da Cunha Mendes, secretária de Estado da Ação Social, acompanhou o Hackathon e sublinha que “há muito potencial de inovação e empreendedorismo que deve ser aproveitado para a criação de riqueza económica, social e ambiental, através do rejuvenescimento, diversificação para maior eficiência, eficácia e qualidade dos serviços para que respondam eficazmente às organizações e cidadãos, como os modelos organizacionais inovadores de base tecnológica e sustentável, como se viu aqui nascer”.

Ler mais
Recomendadas

Novo patrocinador dos ‘diabos vermelhos’ aterra no Porto com 20 engenheiros (com áudio)

A companhia alemã comprou uma empresa portuense com o objetivo de desenvolver a sua perícia nos campos da Realidade Aumentada (AR) e da Internet das Coisas (IoT). TeamViewer vai patrocinar o Manchester United na próxima época.

Startup inspira-se num dos maiores IPO da Europa para expandir mercado dos cacifos inteligentes

A empresa portuguesa Bloq.it prepara-se para fechar este mês uma ronda de investimento ‘seed’ de 550 mil euros, disse ao Jornal Económico o cofundador João Lopes. Mais do que guardar malas, os cacifos que se abrem com QR code são uma mais-valia para o negócio das entregas.

NOS e Amazon Web Services escolhem 15 startups para o programa de inovação em 5G

Empresas de sectores como saúde, agroalimentar ou desporto – todas com uma vertente digital – foram selecionadas para fazer parte do programa de inovação colaborativa “Acelerador 5G”. “Acreditamos que muito daquelas que serão as grandes inovações de futuro virão do mundo das startups, que tipicamente trazem visões disruptivas”, garante a operadora ao JE.
Comentários