“Já se faz notar” chegada da tempestade Helene aos Açores

“A aproximação desta tempestade tropical já se faz notar com a ocorrência de alguma precipitação e um ligeiro aumento da intensidade do vento e da agitação marítima”, sublinha o IPMA.

O Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) assinalou em nota enviada esta manhã à imprensa que a passagem do furacão Helene “já se faz sentir” nos Açores, embora como tempestade tropical.

“A aproximação desta tempestade tropical já se faz notar com a ocorrência de alguma precipitação e um ligeiro aumento da intensidade do vento e da agitação marítima”, sublinha o IPMA.

Às 09:00 dos Açores (menos uma hora que Lisboa), o centro da tempestade localizava-se a 374 quilómetros a oeste-sudoeste da ilha das Flores, no grupo ocidental do arquipélago dos Açores.

“Assim e, de acordo com a trajetória prevista até esta hora, o Helene deverá passar muito perto ou sobre o grupo ocidental na noite de sábado/madrugada de domingo, com uma probabilidade elevada (superior a 90%)”, concretiza o IPMA.

Para o grupo ocidental – Flores e Corvo – mantém-se a previsão de “precipitação forte, vento com rajadas até 150 quilómetros por hora e agitação marítima que poderá atingir os oito a 12 metros”.

No grupo central – Terceira, Graciosa, Pico, Faial e São Jorge – “deverá também verificar-se um agravamento do vento, precipitação e agitação marítima, mas com menor intensidade”, ao passo que o grupo oriental – São Miguel e Santa Maria – “deverá ser o menos afetado pela tempestade”.

Ler mais
Recomendadas

Fim de semana traz chuva e vento

As terras altas (acima de 1.600 metros) das regiões Norte e Centro poderão contar com queda de neve, de acordo com a previsão do Instituto Português do Mar e da Atmosfera.

Fiji alertam Austrália para impacto das alterações climáticas

O primeiro-ministro das ilhas Fiji, Frank Bainimarama, advertiu esta sexta-feira o homólogo australiano, Scott Morrison, que as alterações climáticas representam uma “enorme ameaça” ao país e às ilhas do Pacífico.

Nova dieta global pode preservar o planeta e salvar 10 milhões de vidas

Se a nova dieta for adotada globalmente, entre 10,9 a 11,6 milhões de mortes prematuras poderão ser evitadas a cada ano – o que equivale entre 19% a 23,6% das mortes entre adultos. Uma redução no sódio e um aumento nos grãos integrais, nozes, vegetais e frutas contribuirão para a prevenção de mortes, de acordo com um dos modelos do relatório.
Comentários