Já viu o “Jogo Económico”: João Félix vai ser a maior venda de sempre do futebol português?

Terá João Félix, avançado do SL Benfica, a capacidade de se tornar o maior negócio de sempre de um clube português? João Marcelino, Luís Henrique e Daniel Sá, diretor executivo do IPAM, analisam o valor económico do jovem talento das ‘águias’.

Tem 19 anos, uma cláusula de 120 milhões de euros e os recentes duelos entre os ‘grandes’ lisboetas colocaram todo o seu talento em foco. Terá João Félix, jovem avançado do SL Benfica, a capacidade de se tornar o maior negócio de sempre do futebol português?

Este foi um dos temas da próxima edição do “Jogo Económico”, um programa que contou com a presença em estúdio de Daniel Sá, diretor executivo do IPAM – Instituto Português de Administração de Marketing, que, em conjunto com João Marcelino e Luís Miguel Henrique e João Marcelino e moderados por José Carlos Lourinho, debateu qual o valor do futebol português enquanto marca e o que falta para que o marketing consiga suplantar a comunicação ‘ruidosa’ que se faz sentir em Portugal.

Nas perguntas dos leitores, João Marcelino e Luís Miguel Henrique analisaram ao detalhe as diferentes estratégias que FC Porto e SL Benfica adotaram no mercado de inverno, e qual poderá ser bem sucedida em maio deste ano.

Participe no debate do “Jogo Económico”. Envie a sua pergunta para ojogoeconomico@jornaleconomico.pt para que seja respondida em estúdio pelos comentadores residentes do programa.

Recomendadas

Barcelona de Messi troca Audi por Cupra e negoceia patrocínio focado na mobilidade

FC Barcelona e a Seat Cupra finalizam acordo de patrocínio fora dos trâmites tradicionais. Fontes, citadas pela imprensa espanhola, relata que está a ser estudado um projeto focado na mobilidade entre a fabricante espanhola e o clube catalão.

Premium“Oferta audiovisual dos clubes não colide com direitos de transmissão”

Clubes portugueses têm estratégias de media para obter mais influência, mais consumo e receitas. Plano não deve colidir com os direitos de imagem. Centralização é inevitável, diz especialista.
Comentários