Jaguar Land Rover prepara-se para despedir cinco mil trabalhadores no Reino Unido

A queda nas vendas na China, o maior mercado da companhia, e a perda da competitividade devido ao Brexit são duas das razões para os despedimentos.

A produtora automóvel Jaguar Land Rover prepara-se para despedir milhares de trabalhadores no Reino Unido. A companhia, detida pela indiana Tata Motors, está a cortar postos de trabalho devido às quedas nas vendas na China, o seu mercado mais rentável, onde as vendas caíram 50% nos últimos meses, com a retração da economia chinesa, fruto da guerra comercial entre Pequim e os Estados Unidos.

Outra razão para os despedimentos é a redução das vendas de automóveis a gasóleo na Europa, avançam a BBC e a Reuters esta quinta-feira. A marca também está preocupada que, com o Brexit, deixe de ser competitivo produzir no Reino Unido para exportar para outros mercados.

“O anúncio dos despedimentos vai ser substancial, afetando [os departamentos de] gestão, desenvolvimento, vendas e design”, disse uma fonte anónima à Reuters, destacando que os trabalhadores da linha de produção não vão ser atingidos pelos despedimentos, para já.

A Jaguar Land Rover já tinha despedido cerca de mil trabalhadores no Reino Unido em 2018, tendo apresentado perdas de 354 milhões de libras (391,6 milhões de euros) entre abril e setembro.

A empresa que emprega cerca de 40 mil trabalhadores no Reino Unido, tem estado a aumentar o número de trabalhadores em novas fábrica na China e Eslováquia nos últimos anos, recusou fazer comentários.

Os despedimentos fazem parte de um plano de redução de custos no valor de 2,5 mil milhões de libras (2,765 mil milhões de euros).

Ler mais
Recomendadas

CGD com “insuficiências” na análise de risco na concessão de crédito

Entre 2008 e 2013, o volume de créditos em incumprimento na CGD aumentou exponencialmente, de 1,5 mil milhões para 5,2 mil milhões, com os rácios a passarem de 2,3% para 7,5% respetivamente, segundo a auditoria. As imparidades, por sua vez, passaram de 3,2 mil milhões para 5,3 mil milhões de euros.

Inquérito/Energia: Vieira da Silva delegou em Zorrinho mas subscreve decisões

Vieira da Silva disse ainda “não ter dúvidas” de que “estrategicamente, teria sido vantajoso permanência do Estado na REN”, e adianta que “várias das medidas que o governo teve de tomar foram decididas num quadro de emergência.

Intervenção do Estado nas decisões da CGD teve “influência adversa”

A EY identificou, sobretudo, três situações originadas pelas estratégias definidas por sucessivos governos.
Comentários