JE editors Talks chegaram a mais de 350 mil pessoas e geraram 80 mil visualizações

A iniciativa lançada no começo da pandemia, que obrigou toda a equipa do Jornal Económico a trabalhar remotamente, já chegou a cerca de 350 mil pessoas e resultou em 80 mil visualizações.

Uma vez que, por uma questão de segurança, toda a equipa do Jornal Económico se encontrava em regime de teletrabalho, a iniciativa foi desenvolvida a 100% de forma digital e remota.

 

As JE editors Talks, iniciativa lançada em abril a par com os Especiais do Jornal Económico, chegaram a mais de 350 mil pessoas e resultaram em cerca de 80 mil visualizações. O projeto foi lançado com o objetivo de debater e entender o impacto da pandemia do novo coronavírus nos diferentes setores e áreas da sociedade portuguesa.

Num momento em que o país abraça a possibilidade de um lento desconfinamento, as JE editors Talks têm servido ao longo dos últimos três meses para abordar os principais key-players de cerca de 20 áreas diferentes sobre o impacto, o futuro, os desafios e as oportunidades que as suas áreas e negócios enfrentam com o evoluir da pandemia.

Em baixo, recorde os temas já abordados e clique para rever e partilhar aqueles que mais lhe interessam.

Ler mais
Recomendadas

Luís Filipe Vieira recandidata-se à presidência do SL Benfica

O dirigente máximo dos ‘encarnados’ fez a revelação na reunião dos órgãos sociais que teve lugar esta terça-feira e assumiu-se como candidato à presidência do clube. Caso seja reeleito, poderá manter-se à frente das ‘águias’ até outubro de 2024.

EDP: Despacho de juiz alude a troca de favores entre Mexia e Manuel Pinho

Segundo o MP, foi também acordado, que da parte do ministro haveria a concessão de benefícios indevidos à EDP, através do exercício das suas funções públicas, tendo como contrapartida o apoio da EDP à sua carreira profissional e académica quando saísse do Governo.

CIP apela à aprovação do plano de recuperação: “Previsões de Bruxelas são um novo sinal vermelho”

A Confederação Empresarial de Portugal defende ainda a “rápida” intervenção do Governo português, que passa pela criação de uma ‘bazuca’ nacional’ “que faça mesmo a diferença”.
Comentários