Trabalhistas a favor de um segundo referendo do Brexit

O líder do partido trabalhista, Jeremy Corbyn, garante que se a conferência anual do partido decidir apoiar um novo referendo ao Brexit, ele irá defendê-lo.

Jeremy Corbyn

Jeremy Corbyn, líder dos trabalhistas britânicos, anunciou que irá defender um novo referendo sobre o Brexit se essa posição for decidida na próxima conferência anual do partido.

O líder do partido garantiu que vai convocar uma “votação clara” para que os militantes se pronunciem sobre a postura do partido quanto ao rumo das negociações para a saída do país da União Europeia (UE). O debate do partido sobre um eventual novo referendo irá decorrer esta terça-feira, 25 de setembro, refere a ”Reuters”.

Corbyn tem-se sentido relutante em apoiar as exigências do partido relativamente a um segundo referendo, mas o partido concordou, na passada noite de domingo, 23 de setembro, que o partido votaria numa moção que apoie ”todas as opções restantes na mesa, incluindo a campanha para uma votação pública”, caso nenhuma eleição se desencadeie, segundo os planos de saída para maio do Brexit.

Na véspera do congresso do partido trabalhista, Corbyn afirmou que a sua posição é “definida pela democracia que existe no partido”. O líder explica que irá “aderir” a qualquer decisão que venha a sair deste encontro e sublinhou que, seria preferível pedir eleições antecipadas, mas se a decisão dos congressistas for no sentido de pedir um segundo referendo, esse será o cenário pelo qual o líder trabalhista irá lutar nos próximos tempos. A declaração, citada pela imprensa britânica, marca uma inversão da posição oficial de Corbyn, que sempre disse que queria respeitar o resultado do referendo de junho de 2016.

Um segundo referendo é o cenário preferido pela maioria dos trabalhistas britânicos. Segundo uma sondagem recente, mais de 75% dos trabalhistas querem esse segundo referendo, no entanto, a liderança do partido tem hesitado em pedir essa nova consulta popular pois a maioria dos municípios votou a favor do Brexit.

A pressão sobre o líder trabalhista, na oposição, aumentou após a publicação de uma sondagem que sugere que 86% dos membros do partido quer que se convoque uma nova consulta. Ainda assim, o líder trabalhista diz que prefere a realização de eleições legislativas antecipadas, antes de se colocar a hipótese de um segundo referendo.

Ler mais
Relacionadas

Não acordo no Brexit terá um impacto “relativamente pequeno” no mercado de trabalho alemão

Cerca de 41.000 britânicos estavam empregados na Alemanha em dezembro de 2017, um número que é “insignificante para o mercado de trabalho em geral”, revelou o governo de Angela Merkel ao “Der Spiegel”, em resposta ao partido de extrema-esquerda.

Brexit: sair ou não sair continua a ser a questão

Ainda há quem acredite que os britânicos vão organizar novo referendo sobre o Btrexit e acabar por manter-se no agregado. Verdade ou não, ao Reino Unido abrem-se cinco cenários diferentes que vale a pena tomar em consideração, até março de 2019.
Recomendadas

Moody’s baixa ‘rating’ de Itália para Baa3

A agência de notação financeira enumera o enfraquecimento da força fiscal do país e a paralisação das reformas estruturais como fatores para o ‘downgrade’.

Angola. João Lourenço exonera quatro embaixadores, incluindo na CPLP

João Lourenço exonerou os embaixadores na Missão de Angola junto da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP), Luís de Almeida, no México, Leogivildo da Costa e Silva, na Grécia, Isabel Mercedes da Silva Feijó, e no Canadá, Edgar Gaspar Martins.

Brasil: WhatsApp notifica empresas suspeitas de difundir mensagens contra o PT

As empresas notificadas pela rede WhatsApp são a Quickmobile, Yacows, Croc services e SMS Market, que foram citadas numa reportagem anterior do jornal brasileiro, sobre um suposto esquema de envio em massa de notícias falsas patrocinado por apoiantes do candidato à presidência do Brasil Jair Bolsonaro.
Comentários