Jerónimo de Sousa acusa Luz Saúde e José de Mello Saúde de “chantagem” à ADSE

“Estamos perante um processo de chantagem. Não devemos deixar o SNS aprisionado aos grandes interesses, porque o SNS é um exemplo da defesa do direito à saúde. Esses grupos económicos consideram que a doença é que deve ser um negócio”, afirmou o líder comunista.

O secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, acusou hoje os dois grupos da área da saúde que suspenderam os serviços à ADSE de estarem a fazer chantagem com o Serviço Nacional de Saúde (SNS).

“Estamos perante um processo de chantagem. Não devemos deixar o SNS aprisionado aos grandes interesses, porque o SNS é um exemplo da defesa do direito à saúde. Esses grupos económicos consideram que a doença é que deve ser um negócio”, afirmou o líder comunista.

Em declarações aos jornalistas à margem de uma visita que realizou a uma empresa do setor dos granitos, em Penafiel, o secretário-geral do PCP referiu que a questão se coloca neste momento com dois grupos económicos no setor da saúde, porque “existem muitas pequenas e médias empresas que têm o compromisso com o Estado e que têm cumprido”.

Os grupos José de Mello Saúde (rede CUF) e Luz Saúde comunicaram esta semana o fim das convenções com o subsistema de saúde ADSE, a partir de 12 e 15 de abril, respetivamente.

Para Jerónimo de Sousa, as empresas têm de cumprir o acordo que celebraram com o Estado, honrando os seus compromissos.

“A razão é que [os dois grupos económicos] não querem fazer o acerto de contas com o SNS em relação a montantes que têm de ser pagos. Não vejo outra solução. Se há um contrato, se há um acordo, se há uma parte que não paga, isso tem que ser resolvido”.

Reafirmando que o país não pode ficar “prisioneiro dos grandes grupos económicos em relação ao direito à saúde”, Jerónimo de Sousa insistiu não ver outra solução, de “mínimo bom senso”, que não seja a cobrança “daquilo que é devido”.

O Grupo Luz Saúde justifica a suspensão, em carta enviada aos trabalhadores a que a agência Lusa teve acesso, com a “impossibilidade de se encontrar um acordo equilibrado na negociação de uma tabela que se encontra desatualizada”.

A rede hospitalar justifica também com a não aplicação retroativa de regras de regularização de faturação, que considera “manifestamente ilegais”.

Já o grupo José de Mello Saúde justifica que “há uma conjugação de fatores que, individualmente, mas sobretudo de forma cumulativa, tornam insustentável a manutenção da convenção sob pena de colocar em causa os padrões de qualidade e segurança” defendidos.

Na semana passada, o Expresso adiantou que vários grupos privados, entre os quais o grupo José de Mello Saúde e Luz Saúde, pretendiam suspender as convenções com a ADSE, sistema de saúde dos funcionários públicos, a partir de abril.

Já no final de dezembro, a Associação Portuguesa de Hospitalização Privada revelou que alguns prestadores admitiam deixar de ter convenção com a ADSE, após esta ter exigido 38 milhões de euros por excessos de faturação em 2015 e 2016, pedindo a anulação desse processo ao Governo.

Os membros do Conselho Geral e de Supervisão da ADSE reúnem-se hoje, encontro no qual será abordada a questão da eventual suspensão das convenções entre grupos privados e o sistema de saúde dos funcionários públicos.

Ler mais
Relacionadas

Bastonária dos enfermeiros aconselha Governo a negociar com hospitais privados: “É dramático. Tem de haver negociação”

Ana Rita Cavaco aconselha o Executivo de António Costa a sentar-se à mesa com os hospitais privados para resolver o atual clima de tensão.

Da CUF Infante Santo ao Hospital da Luz Clínica do Caniço. Estas são as unidades que vão deixar de ter ADSE

Saiba quais são as unidades da Luz Saúde e José de Mello Saúde que vão deixar de prestar serviços ao abrigo da ADSE a partir de meio de abril deste ano.

Respostas Rápidas. Quem tem ADSE pode recorrer aos hospitais da José de Mello Saúde ou Luz Saúde?

A José de Mello Saúde formalizou na segunda-feira a suspensão da convenção com a ADSE. O grupo Luz Saúde seguiu-lhe os passos. O que pode acontecer?
Recomendadas

Lei laboral: Quais são as principais alterações em causa?

Acordo entre a direita e o PS viabilizou em julho as alterações ao Código do Trabalho. Turbulência no namoro da geringonça deriva principalmente da discordância quanto ao alargamento do período experimental. Saiba o que está em causa.

Governo considera que não existem motivos para PCP e Bloco pedirem a fiscalização da lei laboral

O ministro do Trabalho defende que não há razões para os parceiros da geringonça pedirem ao Constitucional para avaliar as alterações ao Código do Trabalho.

Lei laboral: O que dizia o acórdão do Tribunal Constitucional de 2008?

Partidos à esquerda do PS vão pedir apreciação da lei laboral ao Tribunal Constitucional e recordam acórdão de 2008 sobre o alargamento do período experimental de 90 para 180 dias para trabalhadores indiferenciados.
Comentários