Jerónimo de Sousa acusa PS de não se desmarcar das políticas de direita

O líder do PCP referiu que o partido tem travado um combate exigente e complexo num quadro onde estão presentes contradições resultantes das opções políticas do governo.

Cristina Bernardo

O líder do PCP, Jerónimo de Sousa, acusou o PS de não desmarcar das políticas de direita.

Numa sessão para assinalar o 105.º aniversário de Álvaro Cunhal, antigo líder comunista, Jerónimo de Sousa disse que o seu partido tem “travado um combate exigente e complexo, num quadro onde estão presentes contradições resultantes das opções políticas do Governo” socialista.

Aos jornalistas, no final da iniciativa “Álvaro Cunhal e o legado de Karl Marx”, o secretário-geral dos comunistas falou em “exemplos significativos” de traços de política de direita do executivo chefiado pelo socialista António Costa.

“Destaco aquele que me parece mais relevante, que é o posicionamento do PS em relação à legislação laboral e às suas alterações”, salientou Jerónimo de Sousa, salientando as questões de profunda precariedade e o facto da atual proposta de alteração laboral poder levar à caducidade dos contratos coletivos de trabalho, além “do apoio ao capital financeiro”.

Segundo o secretário-geral do PCP, estes são elementos que demonstram que o “PS não se desmarca da política de direita”.

No caso concreto do direito dos trabalhadores, “como é que uma força de esquerda, em relação à legislação laboral, que é zona de fronteira entre a esquerda e a direita, pode votar com PSD e CDS uma proposta que atingirá direitos fundamentais dos trabalhadores”, questionou.

Sobre o apoio parlamentar ao Governo, Jerónimo de Sousa reiterou que o único compromisso do PCP é com os trabalhadores e com povo, e que a sua luta tem conseguido a “reposição e conquista de direitos e rendimentos, visando a elevação das condições de vida”.

“Não perdemos nenhuma oportunidade para conseguir avanços, ainda que insuficientes, é verdade, mas avanços sociais elevados importantíssimos, tendo em conta os efeitos devastadores da política do Governo anterior”, frisou.

No entanto, acrescentou, as conquistas conseguidas até agora são “necessariamente insuficientes, pois este amarramento do PS a essa política [de direita] é uma dificuldade objetiva, um obstáculo intransponível e, naturalmente, é preciso uma política diferente”.

Questionado sobre o que diria Álvaro Cunhal do entendimento do PCP com o PS para viabilizar a atual solução de Governo, Jerónimo de Sousa disse que o antigo líder “estaria de acordo com o atual posicionamento”.

“Houve momentos, com Álvaro Cunhal como secretário-geral, em que nós propusemos soluções de política que desse, garantias no plano institucional em relação ao Governo e à Assembleia da República, mas nunca fomos acompanhados pelo PS”, recordou o atual líder comunista.

Ler mais
Recomendadas

Filho de Donald Trump: Theresa May tem de “honrar a sua promessa” de avançar com o Brexit

Donald Trump Jr., filho mais velho do presidente dos Estados Unidos, refere ainda que os ‘interesses instalados’ estão a tentar ‘silenciar as vozes’ daqueles votaram no Brexit, e que elegeram o seu pai para a Casa Branca.

Parlamento discute fim da fixação de preços no setor do táxi

Os sociais-democratas consideram que esta prática restringe a concorrência e impede a “normal resposta da oferta a diferentes condições da procura, em detrimento da eficiência económica”.

Resolução do BES está a ser feita às prestações, diz presidente do Fundo de Resolução

“O que aconteceu em Portugal, é que o Fundo de Resolução foi criado em 2012, e em 2014, tinha apenas 337 milhões de euros”, salientou Máximo dos Santos. O Fundo de Resolução já pagou 466 milhões de euros em juros e comissões ao Estado, com as medidas de resolução, explicou Máximo dos Santos.
Comentários