Jerónimo de Sousa acusa PS de não se desmarcar das políticas de direita

O líder do PCP referiu que o partido tem travado um combate exigente e complexo num quadro onde estão presentes contradições resultantes das opções políticas do governo.

Cristina Bernardo

O líder do PCP, Jerónimo de Sousa, acusou o PS de não desmarcar das políticas de direita.

Numa sessão para assinalar o 105.º aniversário de Álvaro Cunhal, antigo líder comunista, Jerónimo de Sousa disse que o seu partido tem “travado um combate exigente e complexo, num quadro onde estão presentes contradições resultantes das opções políticas do Governo” socialista.

Aos jornalistas, no final da iniciativa “Álvaro Cunhal e o legado de Karl Marx”, o secretário-geral dos comunistas falou em “exemplos significativos” de traços de política de direita do executivo chefiado pelo socialista António Costa.

“Destaco aquele que me parece mais relevante, que é o posicionamento do PS em relação à legislação laboral e às suas alterações”, salientou Jerónimo de Sousa, salientando as questões de profunda precariedade e o facto da atual proposta de alteração laboral poder levar à caducidade dos contratos coletivos de trabalho, além “do apoio ao capital financeiro”.

Segundo o secretário-geral do PCP, estes são elementos que demonstram que o “PS não se desmarca da política de direita”.

No caso concreto do direito dos trabalhadores, “como é que uma força de esquerda, em relação à legislação laboral, que é zona de fronteira entre a esquerda e a direita, pode votar com PSD e CDS uma proposta que atingirá direitos fundamentais dos trabalhadores”, questionou.

Sobre o apoio parlamentar ao Governo, Jerónimo de Sousa reiterou que o único compromisso do PCP é com os trabalhadores e com povo, e que a sua luta tem conseguido a “reposição e conquista de direitos e rendimentos, visando a elevação das condições de vida”.

“Não perdemos nenhuma oportunidade para conseguir avanços, ainda que insuficientes, é verdade, mas avanços sociais elevados importantíssimos, tendo em conta os efeitos devastadores da política do Governo anterior”, frisou.

No entanto, acrescentou, as conquistas conseguidas até agora são “necessariamente insuficientes, pois este amarramento do PS a essa política [de direita] é uma dificuldade objetiva, um obstáculo intransponível e, naturalmente, é preciso uma política diferente”.

Questionado sobre o que diria Álvaro Cunhal do entendimento do PCP com o PS para viabilizar a atual solução de Governo, Jerónimo de Sousa disse que o antigo líder “estaria de acordo com o atual posicionamento”.

“Houve momentos, com Álvaro Cunhal como secretário-geral, em que nós propusemos soluções de política que desse, garantias no plano institucional em relação ao Governo e à Assembleia da República, mas nunca fomos acompanhados pelo PS”, recordou o atual líder comunista.

Ler mais
Recomendadas

Segurança do cofre do Banco de Portugal pode estar em risco. Militares não recebem há quase 7 meses

Este serviço de segurança é pago pelo próprio Banco de Portugal ao Ministério da Administração Interna que tutela a GNR. “O banco não é o problema, a GNR não é o problema”, assumiu um militar à Record TV Europa.

Terceira ponte sobre o Tejo volta a ser discutida 10 anos depois

A ponte anunciada por José Sócrates acabou por ser cancelada em 2010. Os custos foram então estimados entre 1,7 mil milhões e 1,9 mil milhões.

Prémios polémicos levam Comissão Executiva da TAP ao Parlamento. Assista ao debate

A comissão executiva da TAP está a ser ouvida na Assembleia da República sobre prémios polémicos atribuídos a trabalhadores, após terminar o exercício de 2018 com prejuízos. O requerimento para ouvir a comissão executiva da transportadora aérea foi apresentado pelo Bloco de Esquerda (BE), que classificou como “inaceitável” a decisão.
Comentários