PremiumJoão Caiado Guerreiro: “Competir só com base no preço é um disparate”

No ano em que a sociedade de advogados comemora o 40ª aniversário, João Caiado Guerreiro fala sobre a expansão internacional, as áreas de maior crescimento e os planos para o futuro.

A Caiado Guerreiro tem as suas origens num escritório que foi fundado por José Franco Caiado, em 1979. Em 1999 foi refundada pelos sobrinhos, João e Tiago Caiado Guerreiro. João, que colabora com a sociedade desde 1998, é o coordenador do departamento de corporate, comercial e societário e mercado de capitais. Integra e coordena as equipas de direito bancário e financeiro, project finance, arbitragem & contencioso e foreign direct investment.

A Caiado Guerreiro reforçou este ano a equipa de sócios com cinco novas nomeações. Ainda há muito espaço para crescer no mercado português?
Vale a pena crescer nas tecnologias, porque estão a alterar as nossas vidas, energias renováveis, contencioso, contencioso de massas, fiscal, patentes e direito farmacêutico, fusões e aquisições e direito público. Aliás, o escritório fez recentemente uma reorganização liderada por especialistas de determinadas matérias, com vista a prestar ainda um melhor serviço aos clientes.

Hoje em dia têm quantos sócios e colaboradores?
Nos temos mais de 100 advogados, contabilistas e pessoas com outro tipo de formação. O nosso universo é de 125 a 130 colaboradores. Temos 13 sócios na sociedade, uma maioria de senhoras – sete sócias e seis sócios. Estamos em Lisboa, no Porto e no Algarve. No estrangeiro estamos presentes em Madrid, Malta, Pequim, Luanda e Maputo.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

Recomendadas

PremiumLuísa Augusto: “Os ciberataques estão a mudar diariamente”

A ‘associate director’ da Accenture Technology explica como a tendência tecnológica “Secure Us to Secure Me” é uma das que as organizações devem considerar para serem bem-sucedidas.

Carlos Pinto de Abreu apoia português acusado de ajuda à imigração ilegal

A sociedade de advogados está a prestar apoio jurídico a Miguel Duarte através de uma equipa liderada pelos sócios Vânia Costa Ramos e Rui Elói Ferreira.

Direito a desligar do trabalho: o novo projeto de lei e onde não se pode falhar

O grupo parlamentar do PS esteve bem ao não se deixar influenciar pela proposta do legislador francês de apenas prever o direito a desligar para o universo de empresas com 50 ou mais trabalhadores.
Comentários