Johnson&Johnson condenada a pagar quatro mil milhões de euros a mulheres com cancro do ovário

A multinacional norte-americana Johnson & Johnson foi condenada, esta quinta-feira, a indemnizar em mais de quatro mil milhões de euros 22 mulheres que afirmam ter desenvolvido cancro do ovário depois de utilizarem produtos da marca.

Ler mais

O veredicto foi conhecido depois de cinco semanas de testemunhos e alegações por parte de vários especialistas da defesa e da acusação, num tribunal de St. Louis, no estado do Missouri.

Durante o julgamento, especialistas médicos testemunharam que o amianto, famoso cancerígeno, é misturado com o talco mineral, principal ingrediente do pó talco da Johnson & Johnson (J&J).

De acordo com o principal advogado da acusação Mark Lanier, “a multinacional encobriu provas da existência de amianto nos seus produtos durante mais de 40 anos”.

A acusação garantiu que foram encontradas fibras de amianto e partículas de talco nos tecidos dos ovários de muitas mulheres.

“A Johnson & Johnson continua confiante de que os seus produtos não contêm amianto e não causaram cancro. Vamos prová-lo”, retorquiu a porta-voz da empresa Carol Goodrich.

“Esperamos que este veredicto chame a atenção da direção da J&J e que a leve a informar melhor a comunidade médica e o público sobre a ligação entre o amianto, o talco e o cancro do ovário”, disse Lanier, apelando para a retirada do produto do mercado antes que cause “mais angústia e vítimas desta doença terrível”.

A empresa foi processada por mais de 9.000 mulheres que afirmaram que o pó de talco contribuiu para o desenvolvimento do cancro do ovário.

Seis das 22 queixosas morreram na sequência da doença.

Recomendadas

Lei ‘Uber’: PCP vai propor revogação da lei

“Consideramos que já muito mal foi feito, mas ainda vamos a tempo de evitar o agravamento de problemas e a situação gravíssima que está em perspetiva para aquele setor”, anunciou o deputado Bruno Dias.

Turismo: receitas subiram 13% até julho para 8,9 mil milhões de euros

Até julho, as exportações da atividade turística ascenderam a 8.913 milhões de euros, mais 12,86% do que nos primeiros sete meses de 2017, segundo os dados da Balança de Pagamentos hoje divulgados pelo banco central.

Novo código dos contratos públicos vai “destruir engenharia portuguesa”, diz associação do setor

Em causa está “o preço mais baixo como principal (ou mesmo único) critério de avaliação de propostas” para serviços de engenharia de obras públicas previsto no novo Código que entrou em vigor em janeiro, diz a Associação Portuguesa de Projetistas e Consultores.
Comentários