Jornal espanhol ridiculariza Portugal por causa de assalto a Tancos

O El País noticiou o caso de Tancos ironizando as Forças Armadas Portuguesas e o terceiro lugar de Portugal no ranking de países mais pacíficos do Mundo.

O jornal El País noticiou o roubo do material de Tancos e (de forma irónica) utiliza o terceiro lugar de Portugal no ranking dos países mais pacíficos do mundo para descrever o cenário de defesa português. Mas no link de partilha vai mais longe e diz que “o país mais pacífico do mundo tem o exército da Srta Pepis” (uma boneca para crianças).

Como o Jornal Económico noticiou em junho, Portugal subiu dois lugares na avaliação do Global Peace Index (GPI) e é atualmente o terceiro país mais pacífico do mundo, só ultrapassado pela Islândia e pela Nova Zelândia. É precisamente a partir destes dados que o jornal espanhol escreve que “Portugal é pacífico até com as suas Forças Armadas”.

“Há apenas três anos, Portugal ocupava a décima quinta posição, hoje o terceiro, empatado em pontos com o país antípoda. Portugal é tão pacífico que há uma semana atrás, estranhos entraram na base militar de Tancos e carregaram em armas no carro sem que ninguém os impedisse”, escreve o El País. 

Realça que no estudo da Global Peace Index (GPI) atribui 1,3 – num ranking de cinco pontos – aos níveis de militarização portuguesa, 1,4 à segurança na sociedade e 1 ponto em caso de conflitos internos e internacionais e que a maior tragédia portuguesa que assolou as Forças Armadas portuguesas, além da morte de um militar português numa missão no Mali, foram as duas mortes no polémico curso de Comandos o ano passado.

O jornal espanhol dá, ainda, destaque às deficiências de vigilância na área de Tancos, referindo que as rondas é feita por soldados que “reza para que ninguém os ataque” por não ter meios para se defenderem.

O roubo de Tancos tem sido acompanhado pelos principais meios de comunicação internacionais, com destque para notícias no New York Times – “Grenades, ammo stolen in daring raid at Portugal army depot“, Le Figaro – “Des grenades et des munitions volées à l’ armée portugaise“, ABC – “Un robo de armamento en Portugal desata la alarma internacional” ou BBC “Portuguese president speaks out over stolen weapons arsenal“.

Ler mais
Relacionadas

Júdice revela: assaltantes de Tancos estavam a ser vigiados pelas autoridades

A informação de que os assaltantes estavam “sob suspeita” e vigilância para os tentar apanhar em “flagrante delito” foi dado ao advogado por um “político de nível muito elevado”.

“Ausência de recursos próprios” leva Forças Armadas a recorrer a empresas de segurança privadas

Os serviços aos militares, no âmbito de um acordo entre o Estado e as firmas de vigilância, envolvem a Securitas, a Ronsegur, a Esegur, a Strong e a 2045.

Armas roubadas em Tancos podem ter ligações a militares no Líbano, Afeganistão e Iraque

Um dos pontos da investigação sobre o assalto é o de se está associado a militares e oficiais do Exército português em missões no estrangeiro.

Pedrógão e Tancos põe ministros em risco, sem apoio da esquerda

Quando regressar de férias, o primeiro-ministro terá de decidir o futuro de Azeredo Lopes, que tem a pasta da Defesa, e Constança Urbano de Sousa, ministra da Administração Interna.

Cinco factos por esclarecer sobre Tancos

Ainda são muitas as dúvidas sobre o roubo de material militar na base de tancos. Marcelo Rebelo de Sousa exige investigação total. “Doa a quem doer”.
Recomendadas

Investimento de 50 milhões vai permitir ao Alqueva ter o maior projeto fotovoltaico flutuante da Europa

Esta foi a solução encontrada pela Empresa de Desenvolvimento e Infraestruturas do Alqueva (EDIA) para fazer face aos custos elevados que a EDP cobra pelo fornecimento de energia às centrais hidroelétricas de Alqueva e Pedrógão.

Moody’s: Portugal com economia em risco a partir de 2030 devido ao envelhecimento da população

Para contrariar os riscos de recessão económico, a agência defende que devem ser tomadas medidas que aumentem o crescimento da produtividade ou que sustentem o crescimento económico.

Alunos deslocados têm de se registar todos os anos no portal do Fisco para deduzir a renda

A renda paga pelos alunos que estão a estudar a mais de 50 quilómetros de casa pode ser deduzida ao IRS, mas para tal é necessário que todos os anos o estudante comunique ao fisco que se encontra deslocado.
Comentários