José Avillez abriu no Dubai mas fechou três restaurantes em Lisboa

A Cantina Zé Avillez, um dos mais populares, junto ao Campo das Cebolas também encerrou as portas ao público. Abriu em 2018 e o objetivo era servir almoços rápidos para a população lisboeta.

É um dos chefs portugueses mais conhecidos no mundo. Abriu um restaurante no Dubai, que contou com a presença de Jorge Jesus e Cuca Roseta, mas durante o mês de junho fechou três restaurantes em Lisboa, segundo noticia o jornal ‘Expresso’.

Segundo o jornal, o restaurante Za’atar, que o português detinha em conjunto com o chef libanês Joe Barza, fechou as portas depois de as ter aberto ao público, nove meses depois. Segundo a explicação do grupo de José Avillez, o espaço em questão vai ter outra utilização e abrir com um novo conceito.

No entanto, este não foi o único restaurante a encerrar. A Pitaria, que se situa em frente a outro restaurante do grupo, também fechou. Segundo a mesma fonte do jornal, “foi um espaço, à semelhança do Za’atar que cumpriu os objetivos delineados, tiveram o seu sucesso, mas não se justificava que continuassem abertos”.

A Cantina Zé Avillez, um dos mais populares, junto ao Campo das Cebolas também encerrou as portas ao público. Abriu em 2018 e o objetivo era servir almoços rápidos para a população lisboeta. A fonte do grupo admite que esta aposta não resultou e que para a mesma morada “não está previsto nenhum outro restaurante com a marca do chefe Avillez”.

Atualmente, José Avillez tem 12 restaurantes ativos. Belcante, o grande premiado, Bairro do Avillez, Beco – Cabaret Gourmet, Café Lisboa, Cantina Peruana, Cantinho do Avillez e o restaurante Gourmet Experience no El Corte Inglés em Lisboa. Além destes, o chef conta ainda com Casa dos Prazeres, Mini Bar, Pizzaria Lisboa, Rei da China e o último a abrir, Tasca, no Dubai.

Recomendadas

Ordem dos Engenheiros debate falta de água no Tejo

A instituição liderada por Mineiro Aires explica que o ‘Projeto Tejo’ pretende ser a resposta à falta de água que se começa a sentir no rio Tejo e que já afeta fortemente a região do Oeste, situação que se tende a agravar em resultado das alterações climáticas.

Sede da UNESCO vai ter uma horta portuguesa

Ainda não há uma data definida para a implantação do projeto, mas estima-se que até ao final de 2019 a grande horta urbana, com assinatura portuguesa, da sede da UNESCO esteja já em fase de cultura.

Veracruz quer criar em Portugal novo ‘cluster’ da produção de amêndoa

Um dos sócios fundadores da Veracruz, David Carvalho, explica, em entrevista exclusiva ao Jornal Económico, os contorno deste investimento de cerca de 50 milhões de euros nas terras do Fundão e de Idanha-a-Nova
Comentários