Judiciária do Algarve não teve prevenção de terrorismo durante 11 dias

A diretoria de Faro não teve também pessoal necessário para assegurar a prevenção diária de crimes como homicídios ou agressões. A escassez de recursos humanos dever-se-á ao facto de só haver cerca de 50% do quadro de inspetores preenchido e de alguns membros desta secção da autoridade terem tirado férias em agosto.

Durante 11 dias do mês de agosto, a diretoria da Polícia Judiciária de Faro não teve inspetores suficientes para prevenir o terrorismo durante 11 dias, revela o Diário de Notícias desta quinta-feira. Nesse período de tempo, que coincidiu com o dia dos ataques em Barcelona, não se encontrava preenchida a escala do serviço de prevenção da Secção Regional de Combate ao Terrorismo e Banditismo, tendo em conta os sete membros desta secção.

Segundo a mesma publicação, que recolheu informações junto de fontes policiais, a diretoria algarvia não teve também pessoal necessário para assegurar a prevenção diária de crimes como homicídios ou agressões.

A escassez de recursos humanos dever-se-á ao facto de só haver cerca de 50% do quadro de inspetores preenchido e de alguns membros desta secção da autoridade terem tirado férias este mês, o que para os sindicatos se trata do culminar de todo um desinvestimento em recrutar novos inspetores”.

O serviço não ficou em causa, pois à força do sacrifício habitual dos profissionais, este foi garantido por pessoal de outros departamentos e até de folga, mas é verdade que houve falhas nas escalas”, disse ao DN o presidente da direção regional sul da Associação Sindical dos Funcionários de Investigação Criminal, Joaquim Afonso.

De acordo com a explicação que um porta-voz da Polícia Judiciária de Faro deu ao DN, “especificamente nos dias 14,15, 16 e 17” havia um inspetor da Secção Regional de Combate ao Terrorismo e Banditismo ao serviço de piquete, que poderia acompanhar qualquer percalço.

Relacionadas

Poderá a polícia fazer greve? “Paciência já está no limite”, avisa sindicato

Em comunicado, o Sindicato Nacional da Polícia reage à possibilidade de os polícias ficarem de fora do descongelamento da progressão nas carreiras e afirma poder realizar ações de protesto “inéditas em Portugal”. O seu presidente diz que “tudo está em cima da mesa”, quando questionado sobre a possibilidade de uma greve na polícia.

Juiz liberta ex-coordenador e antigo inspetor-chefe da PJ, acusados de tráfico de droga

O ex-coordenador da Polícia Judiciária (PJ) e o antigo inspetor-chefe, que se encontravam em prisão domiciliária com pulseira eletrónica, na sequência da acusação de tráfico de droga e corrupção, constam da lista dos nove arguidos que foram hoje libertados.
Recomendadas

Táxis: Taxistas insistem que mantêm protesto até serem recebidos pelo Governo

Os taxistas continuam este sábado parados, pelo quarto dia consecutivo, e determinados a manter o seu protesto até serem recebidos pelo Governo, disse hoje Florêncio Almeida, da Associação Nacional dos Transportadores Rodoviários em Automóveis Ligeiros de Passageiros (ANTRAL).

Diretor artístico do Museu de Serralves apresenta demissão

O diretor artístico do Museu de Arte Contemporânea de Serralves, João Ribas, apresentou na sexta-feira a sua demissão porque “já não tinha condições para continuar à frente da instituição”, segundo disse o próprio ao jornal Público.

Taxistas reagem com irritação a reunião com o PSD

O presidente da Federação Portuguesa do Táxi (FPT), Carlos Ramos, afirmou aos presentes na Praça dos Restauradores, em Lisboa, que “foi irritante” a forma como foram recebidos pelo PSD na Assembleia da República.
Comentários