Juncker e Tusk escrevem carta a Theresa May para clarificar Brexit

O Presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, e o Presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, enviaram esta segunda-feira uma carta à primeira-ministra do Reino Unido, Theresa May. Na terça-feira vai ter lugar uma votação crucial sobre o Brexit no Parlamento britânico.

Christian Hartmann/Reuters

Na carta conjunta, de quatro páginas, enviada a Theresa May na véspera da votação crucial no parlamento britânico, Jean-Claude Juncker e Donald Tusk insistem que não estão “em posição de acordar o que quer que seja que altere ou seja inconsistente com o Acordo de Saída” celebrado entre os 27 e o Reino Unido.

No entanto, “para facilitar os próximos passos do processo”, apresentam algumas “clarificações”, incluindo a reafirmação de que “a UE não quer ver o ‘backstop’ entrar em vigor”, referindo-se ao mecanismo de salvaguarda para a fronteira entre Irlanda e Irlanda do Norte, a questão mais sensível para o Reino Unido e que ameaça provocar um “chumbo” pelos parlamentares britânicos.

Juncker e Tusk reafirmam também que, se o backstop for alguma vez activado, total ou parcialmente, será “apenas de forma temporária”, até as partes chegarem a um acordo definitivo “que assegure a ausência de uma fronteira física na ilha da Irlanda numa base permanente”.

Na carta o presidente do Conselho Europeu e o presidente da Comissão Europeia também fazem considerações em separado. Donald Tusk sublinha o “valor legal” das conclusões do Conselho Europeu de 13 de Dezembro, na qual os 27 se comprometeram a trabalhar de forma célere para que o backstop nunca entre em vigor.

Leia aqui a carta conjunta

Relacionadas

Theresa May escolhe bastião do Brexit para salvar saída da UE

Na véspera da votação no Parlamento, a primeira-ministra discursa em Stoke-on-Trent, onde o eleitorado mais defendeu o Brexit.

União Europeia pondera adiar Brexit até julho

“A primeira sessão do parlamento é em julho. Precisamos que de eurodeputados do Reino Unido caso o país ainda seja um Estado-membro”, justificou um diplomata ao “The Guardian”.

Brexit: Theresa May dramatiza votação de amanhã na Câmara dos Comuns

A primeira-ministra britânica afirmou que a recusa do acordo com a União Europeia seria uma “quebra de confiança catastrófica e imperdoável”.
Recomendadas

Apesar da ira de Trump, Sintra não foi palco de ‘guerra cambial’ entre Europa e EUA

Primeiro dia do Fórum do Banco Central Europeu (BCE), em Sintra, ficou marcado pela troca de palavras entre Donald Trump e Mario Draghi. “Não visámos as taxas de câmbio”, disse o presidente do BCE, em resposta à crítica do presidente norte-americano sobre o impacto de possíveis cortes adicionais da taxa de juros na zona euro.

Stanley Fischer fez duas previsões: se Trump for reeleito, a Fed terá novo presidente e os EUA serão do “terceiro mundo”

Ex-governador do Banco de Israel e ex-vice da Fed durante a administração de Obama, Stanley Fischer disse que o atual presidente da Reserva Federal norte-americana tem os dias contados se Donald Trump for reeleito. E, nesse caso, existe a probabilidade de os EUA se tornarem num país do ‘terceiro mundo’.

Carney salienta que Banco de Inglaterra pode relançar programa para estimular concessão de crédito

No Fórum do Banco Central Europeu, Mark Carney defendeu ainda a importância de comunicar o ‘guidance’ para “gerir expectativas à medida que as circunstâncias mudam”.
Comentários