Juncker: negociações do Brexit “sem progressos” para passar à segunda fase

O presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, alerta que permanecem “grandes divergências” de parte a parte ao fim de mais de seis meses e quatro rondas de discussões e que estas devem ser limadas antes de se poder avançar com planos para uma futura relação comercial entre o Reino Unido e a UE.

Christian Hartmann/Reuters
Ler mais

A União Europeia (UE) quer mais detalhes sobre a posição do Reino Unido nas negociações de saída do bloco europeu. O presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, alerta que permanecem “grandes divergências” de parte a parte ao fim de mais de seis meses e quatro rondas de discussões e que estas devem ser limadas antes de se poder avançar com planos para uma futura relação comercial entre o Reino Unido e a UE.

“Não podemos falar sobre o futuro sem ter qualquer clareza em relação à posição do Reino Unido”, afirmou Jean-Claude Juncker, num debate sobre o estado das negociações entre UE e Reino Unido, a decorrer no Parlamento Europeu, em Estrasburgo. “Ainda não fizemos progressos suficientes para assumir plena confiança numa nova fase de negociações”.

O presidente do executivo comunitário diz-se “satisfeito” com a “abertura” demonstrada pela primeira-ministra britânica, Theresa May, no seu discurso em Florença a 22 de setembro, dizendo que foi um discurso “conciliatório, mas discursos não são posições negociais e resta muito trabalho pela frente”.

“Estou satisfeito pelo facto de a primeira-ministra [Theresa] May e a sua equipa terem reconhecido que o Reino Unido tem obrigações financeiras que deve respeitar”, sustentou Jean-Claude Juncker. “Os contribuintes da UE 27 não devem pagar pela decisão britânica”.

Jean-Claude Juncker reitera que é muito cedo para se iniciarem discussões comerciais porque não houve progressos suficientes em determinadas matérias fundamentais para o avanço das negociações, como os direitos dos cidadãos e a questão financeira do Reino Unido.

As negociações entre funcionários do Reino Unido e da UE retomam em Bruxelas na próxima semana. O fim da maratona de negociações entre as duas partes está previsto para março de 2019.

Relacionadas

Brexit: Farage aponta para a Catalunha e diz “graças a Deus que vamos sair”

O eurodeputado britânico afirma que “os cidadãos europeus ficaram chocados” com a inação da União Europeia e diz que tal permite aos britânicos antever o que aconteceria se os nacionalistas escoceses ousassem pedir a independência.

Brexit: Acordo de comércio vai influenciar buraco orçamental na Europa

O Parlamento Europeu vota esta terça-feira resolução sobre as negociações.

Brexit: Transferir trabalhadores pode custar mais de 400 milhões a cada banco

Há também outro problema para resolver, na sequência da passagem dos edifícios e funcionários para outro país: muitos dos trabalhadores visados não querem fazer as malas. As instituições financeiras podem ter que recorrer a pacotes de deslocalização dispendiosos, que incluem custos de habitação, educação e de outros benefícios para facilitar a deslocação.

Pedidos de dupla nacionalidade disparam entre cidadãos britânicos

A Irlanda é o país que recebeu até agora mais pedidos de cidadania, tendo-se registado um aumento de mais de um terço no número de pedidos. Há até quem esteja disposto a abrir mão da cidadania britânica para obter outras nacionalidades, como a espanhola.

Brexit pode afinal ser um “acordo de sonho” para a União Europeia

Analistas acreditam que a União Europeia sairá beneficiada pela saída do Reino Unido, onde a primeira-ministra, Theresa May, está a ceder a múltiplas exigências comunitárias para fazer a vontade do povo britânico.

Brexit: mayor de Londres pede segundo referendo

Sadiq Khan disse que tem de haver uma “discussão muito séria” sobre um segundo referendo, uma vez que a primeira-ministra, Theresa May, não consegue alcançar um acordo aceitável com Bruxelas.
Recomendadas

Húngaros e polacos entre os europeus menos favoráveis ao resgate de refugiados

O estudo realizado pelo centro norte-americano, Pew Research Center, revela que 80% dos europeus apoia o resgate aos refugiados. A Hungria e a Polónia ocupam o fim da lista.

Rio de Janeiro multa bares e restaurantes que oferecem palhinhas de plástico

As autoridades do Rio de Janeiro começaram hoje a multar os cafés, restaurantes e bares de praia da emblemática cidade brasileira que oferecem palhinhas de plástico aos clientes. ”Estamos na vanguarda de uma grande luta em defesa do meio ambiente”.

Síria: governo e oposição apoiam o acordo entre a Rússia e a Turquia

Damasco diz que o pacto testará a influência de Ankara em Idlib, enquanto os líderes da oposição a al-Assad no exílio celebram uma vitória contra o ditador.
Comentários