Juro mais baixo de sempre: Portugal paga 1,67% para emitir dívida a 10 anos

Entre Obrigações do Tesouro a 10 e a cinco anos, o IGCP colocou 1.250 milhões de euros, o montante máximo indicativo.

D.R.

Portugal pagou o juro mais baixo de sempre para emitir dívida a 10 anos. Entre os títulos benchmark e a cinco anos, o IGCP – Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública colocou 1.250 milhões de euros, tendo conseguido o montante máximo indicativo.

“As duas emissões correram melhor do que o esperado, quer em termos de taxa, quer quanto à procura”, afirmou Filipe Silva, diretor da Gestão de Ativos do Banco Carregosa.

Na maturidade mais longa, o Tesouro conseguiu uma taxa de 1,670%, em mínimos históricos, para emitir 483 milhões de euros. O valor compara com 1,778% pagos no último leilão de dívida com o mesmo prazo, em março, e com os 1,710% das yields das Obrigações em mercado secundário.

Já nas OT a cinco anos, a taxa foi de 0,529% para emitir 724 milhões de euros. Ficou esta também abaixo dos 0,577%, da emissão realizada no início deste ano, com uma maturidade semelhante.

“As taxas foram mais baixas do que estávamos à espera: não só foram mais baixas do que as dos últimos leilões comparáveis como foram até inferiores àquilo que o mercado secundário está a fazer. No caso da dívida a 10 anos, baixámos 10 basis points (0,1%) desde a última operação”, explicou Silva.

“A procura também subiu. O país conseguir financiar-se a longo prazo com as taxas mais baixas de sempre é o melhor que se pode esperar”, acrescentou o diretor da Gestão de Ativos do Banco Carregosa.

A procura por Obrigações com maturidade a 17 de outubro de 2028 superou a oferta 2,28 vezes, enquanto no último leilão comparável tinha sido 1,70. Nas OT com prazo em 25 de outubro de 2023, a procura ficou 2,79 vezes acima da oferta, em comparação com 3,63 vezes no último leilão.

[Notícia atualizada às 11h00]

Ler mais

Relacionadas

Portugal pode pagar taxas “historicamente baixas” para vender Obrigações a cinco e 10 anos

O Tesouro vai ao mercado emitir até 1.250 milhões de euros. O sentimento no mercado de dívida na Europa está positivo, o que poderá permitir ao IGCP pagar as taxas mais baixas de sempre.

Tesouro quer reembolsar restantes 4,5 mil milhões ao FMI antes do prazo

Numa audição parlamentar da Comissão do Orçamento, Finanças e Modernização, Cristina Casalinho garantiu pretender manter a estratégia atual de reembolsos antecipados ao FMI, que permitiu ao Estado poupar nos juros da dívida.

Cristina Casalinho: “Ainda há fragilidades na base de investidores na nossa dívida”

Numa audição parlamentar na Comissão de Orçamento, Finanças e Modernização Administração, a presidente do IGCP afirmou que estão criadas as condições de mercado para alongar a maturidade da dívida pública, mas sublinhou que ainda há fragilidades.
Recomendadas

Premium“Volume de transações atingiu um bilião de dólares em 2018”

Yoni Assia, co-fundador e CEO da eToro, criou uma rede social para investidores sem experiência investirem em ativos líquidos. “Os corretores não gostam de nós”, frisa.

Bill Gates volta a ser a pessoa mais rica do mundo

O cofundador da Microsoft ultrapassou Jeff Bezos, CEO da Amazon, no “Bloomberg Billionaires Index”. As ações da tecnológica ainda digerem as boas notícias vindas do Pentágono.

Bolsa de Lisboa fecha em queda apesar da subida das papeleiras

A pressionar o mercado estiveram, entre outras, as ações do BCP, da NOS e da Jerónimo Martins. Na Europa o verde dominou os mercados ajudados pelos novos inputs sobre a guerra comercial, que sinalizam uma aproximação entre os EUA e a China para fecharem o acordo de “fase um”.
Comentários