Juros da dívida de curto prazo dos EUA já ultrapassam os da Grécia

Apesar de as ‘yields’ dos títulos do Tesouro dos Estados Unidos a dois anos superarem o valor da Grécia no mercado secundário de dívida, o país europeu continua em reabilitação devido à crise financeira.

O mercado obrigacionista está a mostrar cada vez mais confiança na Grécia e o país, que está prestes a sair do programa de ajuda financeira externa, atingiu um novo marco. O custo dos títulos do Tesouro dos Estados Unidos a dois anos superou o valor da Grécia no mercado obrigacionista, segundo dados da agência “Bloomberg”.

As yields gregas são tão seguras como as obrigações dos EUA, pelo menos na perspetiva do preço, para o mercado obrigacionista. No entanto, com o mercado grego ainda em reabilitação, devido à crise financeira, e exposto à especulação, devido à possível renúncia do Governo grego do programa de ajuda, o custo dos crédito concedido aos gregos sobe.

Do outro lado do Atlântico, o crescimento económico dos EUA e a expetativas de inflação, têm feito subir as yields das Treasuries a curto-prazo. Os juros da dívida bechmark, ou seja, a dez anos, também avançam, tendo tocado esta terça-feira os 2,57%, um valor que não atingia desde março, numa altura em que investidores tentam perceber o rumo das subidas das taxas de juro de referência pela Reserva Federal norte-americana.

Recomendadas

Galp põe PSI 20 em alta em contraciclo com queda das praças europeias

As ações da Galp foram as estrelas da sessão ao subirem 2,16% para 16,780 euros. Isto num dia em que o petróleo está a disparar no mercado de futuros. Europa fechou em queda.

Respostas Rápidas. Preço do brent dispara. Poderá atingir os 100 dólares por barril?

Por trás da subida estão três fatores: a perspetiva de uma queda na produção nos EUA, a decisão da OPEP e outros produtores de manter a oferta ao nível atual e as sanções norte-americanas ao crude iraniano.

Juros soberanos disparam com palavras de Draghi ao Parlamento Europeu

Mario Draghi disse que vê uma recuperação “relativamente vigorosa” da inflação subjacente da zona do euro, sinalizando que o Banco Central Europeu está bem encaminhado para aumentar as taxas de juros no final do próximo ano. No seu discurso no Comité para os Assuntos Económicos e Monetários no Parlamento Europeu, disse ainda que espera que os salários continuem numa trajetória de subida. Juros soberanos disparam na Europa e euro valoriza.
Comentários