Juros soberanos disparam com palavras de Draghi ao Parlamento Europeu

Mario Draghi disse que vê uma recuperação “relativamente vigorosa” da inflação subjacente da zona do euro, sinalizando que o Banco Central Europeu está bem encaminhado para aumentar as taxas de juros no final do próximo ano. No seu discurso no Comité para os Assuntos Económicos e Monetários no Parlamento Europeu, disse ainda que espera que os salários continuem numa trajetória de subida. Juros soberanos disparam na Europa e euro valoriza.

O presidente do Banco Central Europeu, Mario Draghi, discursava no Parlamento Europeu, quando disse que a recuperação da inflação e dos salários na zona euro estavam a subir de forma vigorosa.

Mario Draghi disse que vê uma recuperação “relativamente vigorosa” da inflação subjacente da zona do euro, sinalizando que o Banco Central Europeu está bem encaminhado para aumentar as taxas de juros no final do próximo ano.

O presidente do BCE disse ainda ao Parlamento Europeu q ue as projeções económicas da sua instituição – mostram uma média de inflação de apenas 1,7% até 2020, pouco abaixo da meta de 2%.

No seu discurso no Comité para os Assuntos Económicos e Monetários no Parlamento Europeu, disse ainda que espera que os salários continuem numa trajetória de subida.

“Espera-se que a inflação subjacente aumente ainda mais nos próximos meses, à medida que o aperto no mercado de trabalho está  a fazer subir o crescimento dos salários”, disse o presidente do BCE.

Os mercados de dívida soberana estão a reagir. Os juros a 10 anos da dívida alemã sobem 4,5 pontos base para uma yield nos 0,507%. O mesmo se passa com a dívida francesa que sobe 4,7 pontos base para 0,826% no mercado secundário. Os países periféricos também vêem a dívida agravar. Portugal tem os juros a subirem 2,3 pontos base para 1,892%. Espanha tem a sua dívida a agravar 2,8 pontos base para 1,523% e Itália então é o mais penalizado com os juros da dívida pública a subirem 8,5 pontos base para 2,915%.

O BCE deve encerrar seu programa de compra de dívida em dezembro e espera manter as taxas de juros em mínimos históricos pelo menos até o verão de 2019.

Ler mais
Recomendadas

Wall Street fecha semana a subir animado com tréguas na ‘guerra tecnológica’

Wall Street recuperou das perdas de quinta-feira. Declarações do presidente norte-americano sobre a possibilidade da Huawei poder ser incluída no acordo entre EUA e China relativamente à ‘guerra comercial’ animou os investidores.

Fitch mantém rating de Portugal, mas sobe perspetiva para ‘positiva’

Agência de notação financeira norte-americana manteve o ‘rating’ de Portugal no segundo grau de investimento, mas subiu o ‘outlook’, destacando a trajetória de diminuição do rácio da dívida pública face ao PIB e a diminuição do défice. Resultados das eleições legislativas de outubro não se deverão traduzir em “desvios das atuais políticas orçamentais”, antecipa.

‘May Day’ puxa pelas bolsas da Europa. Lisboa não foi exceção

No Reino Unido, confirmou-se o cenário de demissão de Theresa May, que deixa o cargo de Primeira-ministra no dia 7 de junho.  O FTSE 100 subiu 0,65% para 7.277,73 pontos. Por cá o PSI 20 fechou a subir 0,78% para 5.097,28 euros impulsionado pelas ações da EDP; da Sonae; pela REN; pela Jerónimo Martins e pelo BCP.
Comentários