Khashoggi: Riade afirma que não sabe onde está o corpo

O ministro dos Negócios Estrangeiros saudita, Adel al-Jubeir, afirmou este domingo, 21 de outubro, que não sabe “onde se encontra o corpo” do jornalista Jamal Khashoggi, considerando que a sua morte foi “um erro monumental”.

“Descobrimos que foi morto no consulado [saudita em Istambul]. Não sabemos como, em detalhe. Não sabemos onde está o corpo”, declarou o chefe da diplomacia saudita, a partir de Riade, em entrevista à televisão norte-americana “Fox News”.

“Os indivíduos que fizeram isso atuaram fora do seu campo de responsabilidade. Foi feito um erro monumental, agravado pela tentativa de o esconder”, disse o ministro, acrescentando que o príncipe herdeiro saudita, Mohammed bin Salman, “não foi informado” da operação, que não foi autorizada pelo poder.

O rei Salman “está determinado” em fazer com que os responsáveis pela morte do jornalista “prestem contas” e em “adotar procedimentos para os serviços secretos que impeçam a repetição de acontecimentos idênticos”, indicou o ministro.

O chefe da diplomacia saudita apontou a ligação “estratégica” entre Washington e Riade para afirmar que “essa relação vai ultrapassar” o caso Khashoggi e as suas repercussões diplomáticas.

Jamal Khashoggi, 60 anos, entrou no consulado da Arábia Saudita em Istambul, na Turquia, no dia 02 de outubro, para obter um documento para se casar com uma cidadã turca e nunca mais foi visto.

Khashoggi era apontado como uma das vozes mais críticas da monarquia saudita e residia nos Estados Unidos desde 2017, sendo colaborador do jornal “The Washington Post”.

Ler mais
Relacionadas

Estrangeiros vendem perto de mil milhões de euros em ações da Arábia Saudita

Esta é uma das maiores vendas desde que o mercado abriu para direcionar as compras externas em meados de 2015, numa semana em que os investidores foram abalados pela deterioração das relações da Arábia Saudita com governos estrangeiros após o desaparecimento do jornalista Jamal Khashoggi.

Portugal quer investigação para apurar responsabilidades sobre a morte do jornalista saudita

Também no sábado, a chefe da diplomacia da União Europeia, Federica Mogherini, exigiu uma “investigação aprofundada” sobre a morte “extremamente perturbadora” do jornalista saudita Jamal Khashoggi e que os autores sejam responsabilizados.

Canadá considera que explicações da Arábia Saudita sobre o jornalista saudita Khashoggi não são credíveis

“As explicações dadas até agora não são consistentes ou confiáveis”, disse a ministra dos Negócios Estrangeiros do Canadá, Chrystia Freeland.
Recomendadas

Há petróleo nos EUA, mas não há quem queira trabalhar no setor

Os campos de petróleo situados entre o Taxas e o Novo México valem muitos milhões de dólares, mas, numa situação de quase pleno emprego, não há quem aceite trabalhar lá.

Conselheira de segurança nacional despedida a pedido de Melania Trump

Um dia depois de Melania Trump ter emitido um comunicado, a número dois do Conselho de Segurança Nacional foi despedida. Só para o cargo que ocupava Mira Ricardel já passaram três pessoas diferentes.

Procurador saudita pede pena de morte aos suspeitos do caso Khashoggi

A pena foi pedida para cinco dos 11 suspeitos de estarem envolvidos na morte do jornalista. O procurador saudita considera que foram estes que ordenaram que Khashoggi fosse drogado e desmembrado.
Comentários