Laboratório STARLab visa o estudo do Espaço e dos Oceanos

Está previsto um investimento que ronda os 50 milhões de euros nos próximos anos.

STARLab, assim se chama um laboratório luso-chinês para a investigação e desenvolvimento tecnológico para o Espaço e para os Oceanos.

Na assinatura do projecto, presidida pelo Primeiro-Ministro, António Costa, e pelo Presidente chinês, Xi Jinping, estiveram presentes Ricardo Mendes, CEO do Grupo TEKEVER, e Jiancun Gong, director do Instituto de Microssatélites da Academia de Ciências Chinesa.

O STARLab será financiado em partes iguais pelos dois países e, no total, está previsto um investimento que ronda os 50 milhões de euros nos próximos anos e a abertura de centros de investigação e desenvolvimento em Portugal e na China.

O STARLab possui metas a nível científico que passam pelo estudo de fenómenos naturais e os seus potenciais impactos sistémicos e ambientais, e para tal prevê o desenvolvimento de soluções tecnológicas baseadas, nomeadamente, em microssatélites e na sua integração com plataformas robóticas de exploração do mar profundo.

O laboratório conta com a participação do Instituto de Microssatélites e do Instituto de Oceanografia da Academia de Ciências Chinesa. Do lado nacional, a iniciativa está a ser impulsionada pela TEKEVER, com foco na área do Espaço, e pelo CEiiA (Centro de Engenharia e Desenvolvimento de Produto), com foco na área dos Oceanos, e com o suporte do Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, através da Fundação para a Ciência e Tecnologia (FCT).

PCGuia
Ler mais
Recomendadas

Clientes são os vencedores do ‘confronto’ entre FinTech e a banca

Com a aposta no digital, a banca segue o exemplo das FinTech em identificar soluções para resolver as exigências dos clientes.

Glintt quer contratar mais 300 colaboradores

A Glintt prevê aumentar a sua equipa, existindo uma variedade de perfis, tanto para os escritórios de Lisboa, como para os do Porto: Senior e Junior Developer, Delivery Manager, Senior e Junior Java Developer, Java Consultant, Automation Tester, Analista Funcional, bem como Gestor de Projeto.

Computadores Windows 10 não vão precisar de “ejetar dispositivos USB”

A funcionalidade ‘quick removal’ impede que o Windows esteja sempre a tentar escrever para drive USB, o que permite ao utilizador removê-la quando tiver necessidade de o fazer.
Comentários