Laboratório STARLab visa o estudo do Espaço e dos Oceanos

Está previsto um investimento que ronda os 50 milhões de euros nos próximos anos.

STARLab, assim se chama um laboratório luso-chinês para a investigação e desenvolvimento tecnológico para o Espaço e para os Oceanos.

Na assinatura do projecto, presidida pelo Primeiro-Ministro, António Costa, e pelo Presidente chinês, Xi Jinping, estiveram presentes Ricardo Mendes, CEO do Grupo TEKEVER, e Jiancun Gong, director do Instituto de Microssatélites da Academia de Ciências Chinesa.

O STARLab será financiado em partes iguais pelos dois países e, no total, está previsto um investimento que ronda os 50 milhões de euros nos próximos anos e a abertura de centros de investigação e desenvolvimento em Portugal e na China.

O STARLab possui metas a nível científico que passam pelo estudo de fenómenos naturais e os seus potenciais impactos sistémicos e ambientais, e para tal prevê o desenvolvimento de soluções tecnológicas baseadas, nomeadamente, em microssatélites e na sua integração com plataformas robóticas de exploração do mar profundo.

O laboratório conta com a participação do Instituto de Microssatélites e do Instituto de Oceanografia da Academia de Ciências Chinesa. Do lado nacional, a iniciativa está a ser impulsionada pela TEKEVER, com foco na área do Espaço, e pelo CEiiA (Centro de Engenharia e Desenvolvimento de Produto), com foco na área dos Oceanos, e com o suporte do Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, através da Fundação para a Ciência e Tecnologia (FCT).

PCGuia
Ler mais
Recomendadas

“Vamos assistir à terceirização do e-commerce”, afirma presidente da ACEPI

O presidente da ACEPI, Alexandre Nilo Fonseca, considera que o ramo alimentar, “que até agora tem estado um bocadinho afastado do digital”, vai assistir a uma evolução no comércio ‘online’.

União Europeia facilita compras digitais mas Portugal falha prazo

“A Comissão está a acompanhar de perto a situação e em breve decidiremos as próximas medidas para garantir que todos os Estados-membros cumprem as suas obrigações”, diz Nathalie Vandystadt, porta-voz de Bruxelas.

Empresas começam projetos de inovação mas não conseguem acabar mais de metade

O excesso de projetos, a falta de liderança e a ausência de processos estão a bloquear o desenvolvimento das organizações mundiais, segundo o estudo “Having a successful innovation agenda”, elaborado pela multinacional Oracle.
Comentários