Legisladores norte-americanos “culpam” príncipe herdeiro saudita pelo assassinato de Khashoggi

“Eu acho que ele fez isso? Sim, acho que ele fez isso ”, referiu o senador republicano Bob Corker, presidente do Comité de Relações Externas do Senado norte-americano, numa entrevista ao canal televisivo “CNN”.

Os principais legisladores dos EUA acreditam que o príncipe herdeiro saudita Mohammed bin Salman, terá ordenado a morte do jornalista saudita Jamal Khashoggi, isto apesar do governo de Donald Trump manter uma postura mais cautelosa, de acordo com a agência “Reuters.

“Eu acho que ele fez isso? Sim, acho que ele fez isso ”, referiu o senador republicano Bob Corker, presidente do Comité de Relações Externas do Senado, em entrevista à “CNN”, este domingo, 21 de outubro.

Bob Corker, afirmou ter recebido uma informação secreta sobre o caso na última sexta-feira, esperando que as investigações fossem concluídas e que a Turquia compartilhasse as gravações de voz do assassinato de Khashoggi no consulado saudita em Istambul há duas semanas.

No entanto, Bob Corker salientou que acredita que o assassinato foi dirigido pelo príncipe herdeiro Mohammed, que consolidou o poder no maior exportador mundial de petróleo.

“Vamos deixar as coisas acontecerem, mas o meu palpite é que no final do dia os Estados Unidos e o resto do mundo vão acreditar que ele [Mohammed] fez isso”, referiu.

O príncipe herdeiro Mohammed já negou o envolvimento no desaparecimento de Khashoggi, um forte crítico da suas políticas. O ministro das Relações Externas sauditas, Adel al-Jubeir, foi à televisão dos EUA e insistiu que a morte foi um erro, e procurou proteger o poderoso príncipe da crise crescente.

No passado sábado, Donald Trump juntou-se aos líderes europeus para pressionar a Arábia Saudita para mais respostas depois destes terem alterado a versão da história e reconhecerem que o jornalista morreu no consulado.

Ler mais
Relacionadas

Khashoggi: Riade afirma que não sabe onde está o corpo

O ministro dos Negócios Estrangeiros saudita, Adel al-Jubeir, afirmou este domingo, 21 de outubro, que não sabe “onde se encontra o corpo” do jornalista Jamal Khashoggi, considerando que a sua morte foi “um erro monumental”.

Estrangeiros vendem perto de mil milhões de euros em ações da Arábia Saudita

Esta é uma das maiores vendas desde que o mercado abriu para direcionar as compras externas em meados de 2015, numa semana em que os investidores foram abalados pela deterioração das relações da Arábia Saudita com governos estrangeiros após o desaparecimento do jornalista Jamal Khashoggi.

Desparecimento de Jamal Khashoggi: Trump promete “castigo severo” se a Arábia Saudita estiver envolvida

Donald Trump afirmou que os dirigentes sauditas “negam de todas as maneiras que se possa imaginar” a alegação de que o jornalista saudita tenha sido morto no consulado da Arábia Saudita em Istambul.
Recomendadas

Stephen Barclay é o novo ministro para o Brexit

Novo secretário para o Brexit é membro do governo liderado por Theresa May, onde exercia funções na saúde. Substitui Dominic Raab, que apresentou a sua demissão esta quinta-feira.

Estes deputados assinaram a moção de censura contra Theresa May

Até agora, confirma-se 20 deputados, entre eles o líder do movimento contra o Brexit Jacob Rees-Mogg. De acordo com as regras estipuladas no Reino Unido, é necessário que 15% dos deputados do partido (48 dos 315 deputados conservadores) escrevam cartas a exigir uma moção de censura à sua líder.

DBRS mantém notação AAA para o Reino Unido

Apesar de perceber os riscos associados a todos os cenários, mesmo o possível chumbo do acordo por parte da Câmara dos Comuns, a agência canadiana mantém a confiança nos fundamentais da economia britânica.
Comentários