Legisladores norte-americanos “culpam” príncipe herdeiro saudita pelo assassinato de Khashoggi

“Eu acho que ele fez isso? Sim, acho que ele fez isso ”, referiu o senador republicano Bob Corker, presidente do Comité de Relações Externas do Senado norte-americano, numa entrevista ao canal televisivo “CNN”.

Os principais legisladores dos EUA acreditam que o príncipe herdeiro saudita Mohammed bin Salman, terá ordenado a morte do jornalista saudita Jamal Khashoggi, isto apesar do governo de Donald Trump manter uma postura mais cautelosa, de acordo com a agência “Reuters.

“Eu acho que ele fez isso? Sim, acho que ele fez isso ”, referiu o senador republicano Bob Corker, presidente do Comité de Relações Externas do Senado, em entrevista à “CNN”, este domingo, 21 de outubro.

Bob Corker, afirmou ter recebido uma informação secreta sobre o caso na última sexta-feira, esperando que as investigações fossem concluídas e que a Turquia compartilhasse as gravações de voz do assassinato de Khashoggi no consulado saudita em Istambul há duas semanas.

No entanto, Bob Corker salientou que acredita que o assassinato foi dirigido pelo príncipe herdeiro Mohammed, que consolidou o poder no maior exportador mundial de petróleo.

“Vamos deixar as coisas acontecerem, mas o meu palpite é que no final do dia os Estados Unidos e o resto do mundo vão acreditar que ele [Mohammed] fez isso”, referiu.

O príncipe herdeiro Mohammed já negou o envolvimento no desaparecimento de Khashoggi, um forte crítico da suas políticas. O ministro das Relações Externas sauditas, Adel al-Jubeir, foi à televisão dos EUA e insistiu que a morte foi um erro, e procurou proteger o poderoso príncipe da crise crescente.

No passado sábado, Donald Trump juntou-se aos líderes europeus para pressionar a Arábia Saudita para mais respostas depois destes terem alterado a versão da história e reconhecerem que o jornalista morreu no consulado.

Ler mais
Relacionadas

Khashoggi: Riade afirma que não sabe onde está o corpo

O ministro dos Negócios Estrangeiros saudita, Adel al-Jubeir, afirmou este domingo, 21 de outubro, que não sabe “onde se encontra o corpo” do jornalista Jamal Khashoggi, considerando que a sua morte foi “um erro monumental”.

Estrangeiros vendem perto de mil milhões de euros em ações da Arábia Saudita

Esta é uma das maiores vendas desde que o mercado abriu para direcionar as compras externas em meados de 2015, numa semana em que os investidores foram abalados pela deterioração das relações da Arábia Saudita com governos estrangeiros após o desaparecimento do jornalista Jamal Khashoggi.

Desparecimento de Jamal Khashoggi: Trump promete “castigo severo” se a Arábia Saudita estiver envolvida

Donald Trump afirmou que os dirigentes sauditas “negam de todas as maneiras que se possa imaginar” a alegação de que o jornalista saudita tenha sido morto no consulado da Arábia Saudita em Istambul.
Recomendadas

Presidente da Boeing: ”Estamos a tomar as medidas necessárias para garantir a total segurança do 737 MAX”

“A Boeing está a finalizar o desenvolvimento de uma atualização de ‘software’ e a revisão do manual de treino dos pilotos para corrigir os erros dos sensores MCAS”, disse o presidente da companhia Dennis Muilenburg em comunicado.

Bolsonaro apoia Trump: “Nós vemos com bons olhos a construção do muro”

Posição foi assumida pelo chefe de Estado brasileiro numa entrevista emitida hoje pelo canal de televisão norte-americana Fox News, no âmbito da visita que Jair Bolsonaro está a realizar, desde domingo, aos Estados Unidos.

Sempre colado ao telemóvel? Esta aplicação impede os ‘zombies’ dos smartphones de serem atropelados

Em 2017, na Coreia do Sul, mais de 1.600 mil pedestres foram mortos em acidentes na estrada, o que representa cerca de 40% do total de mortes no trânsito, segundo dados do Traffic Accident Analysis System. Esta aplicação ajuda os pedestres a estarem mais atentos aos carros.
Comentários