Legislativas: perda de mandatos de Viseu e Guarda ‘rouba’ potenciais deputados ao PSD

A nova distribuição de mandatos foi publicada esta segunda-feira em “Diário da República” e ameaça trazer novas dificuldades ao PSD, tendo em conta que, tanto Viseu como a Guarda, são tradicionalmente afetos ao partido.

Os círculos eleitorais da Guarda e de Viseu vão atribuir menos um deputado, cada um, para a Assembleia da República, enquanto Lisboa e Porto ganharam um lugar cada. A nova distribuição de mandatos foi publicada esta segunda-feira em “Diário da República” e ameaça trazer novas dificuldades ao PSD, tendo em conta que, tanto Viseu como a Guarda, são tradicionalmente afetos ao partido.

Em comparação com as legislativas de 2015, Viseu perdeu perto de 24 mil eleitores, ao passo que a Guarda assistiu a uma diminuição de 12 mil cidadãos em condições de votar. Já em Lisboa verificou-se um acréscimo de cerca de 20 mil eleitores e no Porto esse aumento foi de 3433.

Tendo em conta este cenário, a Secretaria-Geral do Ministério da Administração Interna decidiu proceder a um acerto no mapa eleitoral. Desta forma, Viseu passa a mandatar oito deputados, em vez de nove, enquanto a Guarda passa de quatro para três. Já Lisboa disputa 48 assentos no hemiciclo de São Bento, em vez dos anteriores 47, e no Porto o total de mandatos passa de 39 para 40.

Além de Viseu e Guarda, noutros 12 distritos houve uma baixa do número de eleitores recenseados. Santarém e Viana do Castelo registaram os recuos mais pronunciados, na casa dos 12 mil, seguindo-se Coimbra e Castelo Branco, com uma quebra a rondar menos 11 mil eleitores.

A nova distribuição de mandatos pode, no entanto, ser indiferente na hora de votar e o PSD pode vir a sair prejudicado. Isto porque Viseu e Guarda são dois importantes círculos eleitorais para os sociais-democratas. Nas últimas legislativas, nas quais o PSD concorreu em coligação com o CDS-PP, conseguiu eleger cinco deputados por Viseu (52% dos votos) e na Guarda conquistou três deputados (45,6%).

Recomendadas

Marginal parcialmente fechada ao trânsito entre São Pedro e Parede por razões de segurança

“A segurança das pessoas e bens é primordial e é prioritária. Um incómodo hoje pode evitar uma tragédia amanhã”, argumenta a autarquia de Cascais.

Governo suspende 18 obras na ferrovia no norte e centro

A modernização da Linha do Oeste, entre Mira Sintra-Meleças e Caldas da Rainha, só deve arrancar no fim de 2020, sendo esta a data em que as obras deveriam estar concluídas e a ligação estabelecida e em funcionamento.

Angola: Orçamento Geral do Estado vai hoje a votos

A proposta final global prevê mais receitas e despesas para 2020. Dos 15,9 biliões de kwanzas (29,3 mil milhões de euros) consagrados, cerca de metade. é para pagar a dívida pública que é neste mo momento e 90% do Produto Interno Bruto angolano.
Comentários