Legislativas: perda de mandatos de Viseu e Guarda ‘rouba’ potenciais deputados ao PSD

A nova distribuição de mandatos foi publicada esta segunda-feira em “Diário da República” e ameaça trazer novas dificuldades ao PSD, tendo em conta que, tanto Viseu como a Guarda, são tradicionalmente afetos ao partido.

Os círculos eleitorais da Guarda e de Viseu vão atribuir menos um deputado, cada um, para a Assembleia da República, enquanto Lisboa e Porto ganharam um lugar cada. A nova distribuição de mandatos foi publicada esta segunda-feira em “Diário da República” e ameaça trazer novas dificuldades ao PSD, tendo em conta que, tanto Viseu como a Guarda, são tradicionalmente afetos ao partido.

Em comparação com as legislativas de 2015, Viseu perdeu perto de 24 mil eleitores, ao passo que a Guarda assistiu a uma diminuição de 12 mil cidadãos em condições de votar. Já em Lisboa verificou-se um acréscimo de cerca de 20 mil eleitores e no Porto esse aumento foi de 3433.

Tendo em conta este cenário, a Secretaria-Geral do Ministério da Administração Interna decidiu proceder a um acerto no mapa eleitoral. Desta forma, Viseu passa a mandatar oito deputados, em vez de nove, enquanto a Guarda passa de quatro para três. Já Lisboa disputa 48 assentos no hemiciclo de São Bento, em vez dos anteriores 47, e no Porto o total de mandatos passa de 39 para 40.

Além de Viseu e Guarda, noutros 12 distritos houve uma baixa do número de eleitores recenseados. Santarém e Viana do Castelo registaram os recuos mais pronunciados, na casa dos 12 mil, seguindo-se Coimbra e Castelo Branco, com uma quebra a rondar menos 11 mil eleitores.

A nova distribuição de mandatos pode, no entanto, ser indiferente na hora de votar e o PSD pode vir a sair prejudicado. Isto porque Viseu e Guarda são dois importantes círculos eleitorais para os sociais-democratas. Nas últimas legislativas, nas quais o PSD concorreu em coligação com o CDS-PP, conseguiu eleger cinco deputados por Viseu (52% dos votos) e na Guarda conquistou três deputados (45,6%).

Recomendadas

Oficial: Governo decreta fim da crise energética a partir da meia-noite

António Costa fala numa “vitória da democracia e da legalidade democrática” e que Portugal soube mostrar uma “grande maturidade”. Primeiro-ministro revela que a reposição da total normalidade dos combustíveis demorará dois a três dias.

Mexida no mapa eleitoral facilita reforço do PAN e entrada de novos partidos

Bastaria repetir o número de votos nas europeias para o PAN triplicar a presença na Assembleia da República e para que pelo menos a Aliança e o Livre elegessem deputados. Aumento do peso dos círculos de Lisboa e Porto facilita vida dos pequenos partidos.

Motoristas de matérias perigosas desconvocam greve ao sétimo dia mas deixam ameaças 

O sindicato admite nova paralisação a horas extraordinárias, fins de semana e feriados caso a associação patronal se mostrar “intransigente” na reunião de amanhã.
Comentários