Licença de descargas da Celtejo vai ser revogada

A licença de 2016 duplicou o montante das descargas permitidas à empresa. Agora, a Celtejo encontra-se obrigada pelo Ministério do Ambiente a reduzir, pelo menos, em 50% os despejos previstos inicialmente.

A licença de descargas de águas residuais da Celtejo, atribuída em maio de 2016, vai ser revogada pelo Governo, noticia o “Público” esta sexta-feira. As razões para a revogação estão previstas no diploma de 2016, que estabelece o regime da utilização geral dos recursos hídricos nacionais.

A licença de 2016 duplicou o montante das descargas permitidas à empresa. Agora, a Celtejo encontra-se obrigada pelo Ministério do Ambiente a reduzir, pelo menos, em 50% os despejos previstos inicialmente.

De acordo com o “Público”, os novos valores constarão numa futura licença e vão depender da investigação em curso à qualidade da água d rio Tejo, do resultado das análises feitas recentemente à saída da tubagem da ETAR da Celtejo para o rio e do estudo que está a ser feito pela Universidade Nova de Lisboa, que irá determinar a atual capacidade do Tejo para receber águas residuais.