Líder do CDS-PP Madeira pede que seja regulamentado subsídio de mobilidade para ligação marítima

O centrista desafiou ainda o Governo da República a explicar de uma vez por todas o que entender ser o princípio da continuidade territorial e exigiu ao executivo central que passe da intenção à prática.

A regulamentação do subsídio de mobilidade para a ligação marítima entre a Madeira e o Continente foi o apelo deixado esta segunda-feira por Rui Barreto, líder do CDS-PP Madeira, a Ana Paula Vitorino, ministra do Mar.

Rui Barreto referiu que é necessário alterar a portaria que regulamenta o acesso ao subsídio social de mobilidade que actualmente “só existe para o transporte aéreo”. O líder do CDS-PP Madeira diz que este seria “é um grande passo”.

Para além disso o centrista desafia a República a esclarecer “de uma vez por todas o que é que entende por princípio da continuidade territorial”, o seu compromisso para com esse princípio, quanto vale, e qual o conceito.

Rui Barreto lembra que aquando da discussão do Orçamento na Assembleia da República, o CDS-PP apresentou uma proposta que previa que o Estado assumisse 50% do custo da ligação marítima, que foi chumbado pelo PS.

“Chega de anunciar intenções e nada concretizar”, defendeu o centrista.

Recomendadas

Candidatura do Porto Santo a Reserva da Biosfera já entrou em período de auscultação pública

Antes da data de 22 de abril está prevista uma sessão de esclarecimento dos documentos disponíveis.

Governo Regional acusa vereadora do Funchal de “distracção ou falta de vontade política” sobre Parque Ecológico

A vereadora Idalina Perestrelo tinha apelado a que o executivo regional realizasse uma intervenção na zona do tampão verde de modo a prevenir os incêndios. O Governo Regional respondeu dizendo que tem feito esse trabalho através da faixa corta-fogo, da plantação de plantas no Pico dos Esteios, do projecto florestal para o Montado da Esperança, para além da reflorestações que têm sido feitas.

Rafael Macedo acusa alguns colegas de “forte neglicência” e de fornecerem tratamentos não adequados

O coordenador da unidade de medicina nuclear disse ainda que alguns serviços do Serviço Regional de Saúde funcionam “muito mal”.
Comentários