Líder do conselho nacional do PSD diz que conduta de Montenegro será julgada por militantes e eleitores

Mota Pinto reagiu às declarações de Luís Montenegro que manifestou disponibilidade para se candidatar à liderança e desafiou Rui Rio a convocar eleições diretas antecipadas de imediato.

Tiago Petinga/Lusa

O antigo vice-presidente do PSD Paulo Mota Pinto considerou hoje inoportuna a crise interna no PSD aberta por Luís Montenegro e advertiu que essa conduta não escapará ao julgamento dos militantes, nem à perceção democrática dos eleitores.

Estes avisos foram deixados por Paulo Mota Pinto em declarações à agência Lusa, depois de questionado sobre como encara a iniciativa do antigo líder parlamentar social-democrata Luís Montenegro, anunciada na sexta-feira, no sentido de desafiar Rui Rio a disputar com ele a liderança do partido.

“Verificou-se nos últimos dias uma tentativa de corte no ciclo democrático em curso no PSD há um ano, que resultou da eleição direta do líder e do congresso de fevereiro de 2018. Isto, num momento em que é cada vez mais clara a fragilidade crescente do governo socialista apoiado pela extrema-esquerda e a contraposição de propostas formuladas pelo PSD.”, afirmou Paulo Mota Pinto, atualmente presidente do Conselho Nacional do PSD.

Ainda sobre a atual situação interna no seu partido, Paulo Mota Pinto adiantou que, na sua perspetiva, “toda a ação política democrática se dirige a um julgamento”.

“Pressupõe programação, sentido da responsabilidade, estabilidade e tempo, tanto no Estado como nos partidos. Considero muito inconveniente interromper neste momento esse ciclo normal e impedir o balanço dos mandatos no tempo em que é devido”, disse.

Mas o antigo vice-presidente social-democrata na liderança de Manuel Ferreira Leite vai ainda mais longe na sua crítica à iniciativa de Luís Montenegro: “Acresce que se trata de uma tentativa de interrupção já em período de preparação de eleições, o que acentua ainda mais a sua inoportunidade e não escapa também certamente ao julgamento dos militantes e à perceção democrática dos eleitores”, frisou.

Na sexta-feira, o antigo líder parlamentar do PSD Luís Montenegro manifestou disponibilidade para se candidatar à liderança e desafiou Rui Rio, que completou no domingo um ano de mandato, a convocar eleições diretas antecipadas de imediato.

“A minha resposta é não”, afirmou no sábado Rui Rio, em relação ao repto de convocar eleições, anunciando, por outro lado, que pediu a convocação de um Conselho Nacional extraordinário para que o órgão aprecie e vote uma moção de confiança à sua direção.

“Se for esse o seu entendimento, o Conselho [Nacional] pode retirar a confiança à direção nacional e assumir democraticamente a responsabilidade de a demitir. Se os contestatários não conseguiram reunir as assinaturas para a apresentação de uma moção de censura, eu próprio facilito-lhes a vida e apresento […] uma moção de confiança”, acrescentou o presidente do PSD.

Ler mais
Relacionadas

Semana decisiva no PSD arranca com Rio a Norte e Montenegro a ser recebido por Marcelo

Marcelo Rebelo de Sousa recebe o social-democrata Luís Montenegro às 14:00 desta segunda-feira, a pedido deste, depois de na sexta-feira à noite o Presidente se ter encontrado com Rui Rio.

Marques Mendes sobre guerra no PSD: “É sempre melhor clarificar”

O comentador acredita que Rui Rio vai sair vencedor do Conselho Nacional mesmo que o voto seja secreto. Se isso acontecer de facto, sai reforçado para enfrentar António Costa nas legislativas de outubro, mesmo que as europeias de maio não lhe saiam de feição.

Rui Rio: “o PSD pode ganhar as eleições. Ai pode, pode”

O presidente do PSD, Rui Rio, defendeu numa entrevista hoje publicada no Jornal de Notícias que o PSD pode ganhar as próximas legislativas, até por considerar que o PS já está em condições de as perder.

Maria Luís Albuquerque preferia “verdadeira clarificação” com diretas e lamenta “ataques pessoais”

A ex-ministra das Finanças Maria Luís Albuquerque lamentou hoje que o presidente do PSD não tenha marcado “de imediato” eleições diretas para “uma verdadeira clarificação”, e considerou “desnecessários” os “ataques pessoais” a Luís Montenegro.

Rui Rio: “O PS está em condições de perder, vamos nós pôr-nos em condições de ganhar”

Apesar da forte contestação interna, o líder do PSD confia numa vitória nas legislativas de outubro.
Recomendadas

Rui Rio diz que o Governo socialista engana permanentemente os portugueses

“O grande engano é quando nos vendem uma situação económica de quase milagre económico e depois todos descobrimos que não pode fazer isto e aquilo porque não têm meios”, disse Rui Rio, no encerramento do XVII Congresso do PSD/Madeira, no Funchal, em que Miguel Albuquerque foi reeleito presidente.

Santana Lopes quer mais do que seis ou sete deputados do Aliança e “coligação à direita” pós-eleitoral

Em entrevista ao “Diário de Notícias” e TSF, o líder do Aliança defende que “uma coligação à direita é a única forma de retirar a esquerda do poder”. Questionado sobre se eleger seis ou setes deputados seria um bom resultado para o novo partido, Santana Lopes assume que é “ambicioso” e quer “mais”. Objetivo essencial é garantir que “o centro-direita consiga ter os tais 115 + 1 deputados”.

Inquilinos esperam promulgação de alterações à lei das rendas

A Associação dos Inquilinos Lisbonenses (AIL) disse hoje à Lusa que espera que as alterações à legislação das rendas sejam promulgadas pelo Presidente da República, defendendo que estas podem ser “globalmente positivas”, mas também comportam aspetos negativos.
Comentários