Líderes de todos o mundo, uni-vos!

Ser um bom líder pode ser a peça que lhe falta para que o medo não impeça o sucesso, seja em que contexto for. Explicamos-lhe como…

Lynda Gratton, gestão de talento

Estratégias de liderança que causem impacto positivo nas organizações que dirigem, este é o principal lema do World Leadership Forum. Com a duração de dois dias, provou a importância que um líder tem na organização do mundo empresarial, assumindo-o como crucial na sua evolução. Organizado pela WOBI, World Business Ideas, os mesmos organizadores do World Business Forum, em Madrid e em mais nove cidades à volta do Mundo. A liderança do universo empresarial mas não só. Da nossa vida, somos nós os líderes e, nesse sentido, é necessário apurar as capacidades de liderança que só trarão mais-valias, tanto para nós como para os outros. Hoje a liderança apela a líderes menos controladores e mais ágeis, que permitam o equilíbrio perfeito entre ordem, engenho e capacidade de adaptação.

Renovar o pensamento e liderar a mudança
Dia 21, o dia começou com Lynda Gratton, à qual se seguiu Mario Alonso Puig e, por fim, Daniel Goleman, o renomado psicólogo e autoridade líder em inteligência emocional. Lynda Gratton começou a sua apresentação a falar do Japão e da tecnologia, de robôs e de tempo. E, apesar de ser difícil de prever o impacto que a tecnologia terá nas nossas vidas, é importante o apelo aos “human skills”, às capacidades em que a tecnologia não consegue suplantar o ser humano, desde logo a empatia e a criatividade. Mario Alonso Puig é médico, cirurgião e especialista em motivação, criatividade e comunicação. Começou por falar de gratidão, da necessidade de gratidão, de explorar a realidade e reconectar-se com o corpo e com a alma, reconectar-se com o seu “eu” verdadeiro, celebrar a vida, minimizar o sentimento de alguém. No fundo, tomar a decisão de viver, em vez de apenas sobreviver. Daniel Goleman promete uma revolução a cada palestra e esta não foi excepção… os seus contributos tiveram um impacto transformacional no mundo dos negócios e não só. É considerado pelo Wall Street Journal e pelo Financial Times como um dos pensadores mais influentes da área dos negócios, e é autor de inúmeros best-sellers. A sua apresentação foi focada na liderança, claro, mas com um alerta para os perigos da era que atravessamos, um perigo que tem que ver com o facto de escrevermos mais do que falamos. Segundo Daniel, só conseguimos dar atenção a quem fala connosco se não estivermos entretidos com distracções. Na verdade, achamos que ao escrever libertamos emoção, mas não. O que significa que, esta necessidade a que a tecnologia e a Internet nos obrigam, faz com que nos distanciemos da emoção e do sentir, algo que nos aproxima mais dos robôs e menos das pessoas.

O poder da transformação: acreditar é criar
O dia 22 de Maio começou com a apresentação de Juan Pablo Neira, seguindo-se a de Sarah Lewis e, por fim, Magnus Scheving. Juan Pablo Neira e empreendedor e especialista em criatividade e motivação. Um criativo de profissão e ilusionista de coração, acredita que a inovação não é só tecnologia, aliás, para ele, a inovação é igual à tecnologia mais o drama. Ou seja, há um factor mais importante do que o conhecimento e, que é a imaginação. Segundo ele, é importante que cada pessoa encontre o segredo dentro de si, é esse segredo que nos torna únicos. Sarah Lewis é professora em Harvard e especialista em inovação. Para ela, a inovação, a descoberta e o progresso criativo são todos estimulados pelas vantagens adquiridas a partir do improvável, no inesperado e mesmo da falha. Até porque o medo é dos principais elementos que impedem o sucesso, já que condiciona a criatividade. Importante mesmo é reconhecer os limites antes de os podermos testar. Magnus Scheving, empreendedor e criador  de Lazytown, fez um apelo para que se mantenha a criatividade e que se saia da zona de conforto. Desta forma, será possível cultivar as atitudes positivas que vão permitir o desenvolvimento da sua organização. Para o ano, há mais.

 

 

Este conteúdo patrocinado foi produzido em colaboração com a WOBI – World Business Ideas.

Recomendadas

Sucesso das empresas da indústria dependerá dos “recursos humanos”

Ter a capacidade de reter talento será fundamental para o sucesso das empresas, consideram os participantes na conferência sobre “a aceleração exigida á indústria”, promovida pelo Jornal Económico e pela Multipessoal.

JE e Multipessoal promovem debate sobre a indústria

Digitalização e formação são entendidos como fatores críticos de sucesso e indispensáveis para a competitividade das empresas.

Desafios da indústria portuguesa são tema de debate

Conferência sobre “a aceleração exigida à indústria”, promovida pelo JE em conjunto com a empresa de recrutamento Multipessoal, contará com a participação de António Saraiva, presidente da CIP – Confederação Empresarial de Portugal; Luís Fernandes, CEP da Cimpor; Tiago Monteiro, diretor executivo da Microsoft Portugal; Pedro Vitorino, senior finance director da Farfetch; e André Ribeiro Pires, chief operating officer da Multipessoal
Comentários