Liga de clubes lança petição pela redução do IVA para 6% nos jogos de futebol profissional

De acordo com o último anuário do futebol profissional, relativo à época 2017-2018, a atividade da Liga “produziu 24 milhões de euros em impostos para o Estado.

Presidente da Liga Portugal, Pedro Proença

A Liga Portugal, com o apoio das sociedades desportivas anónimas dos clubes que integram o organismo liderado por Pedro Proença, lançou uma petição pública apelando à redução do IVA de 23% nos espetáculos desportivos para 6%, tal como acontece nos eventos culturais.

O documento, que o organismo espera conseguir reunir assinaturas suficientes para chegar à Assembleia da República, tem por base um parecer do constitucionalista Diogo Leite Campos que inclui a atividade da Liga “na cultura” e, por isso, “deve estar incluída numa reduzida tributação em IVA”.

O constitucionalista salientou no parecer, que “a tributação não pode ser tão pesada que afete o acesso à cultura”, pelo que “um juízo de valor sobre a atual taxa de 23% sobre o preço de bens e serviços em matéria de desporto, implicará também a comparação com as taxas aplicadas a bens que desempenham a mesma função social”.

“O legislador, por respeito da CRP [Constituição da República Portuguesa], tem de equiparar, dentro da cultura, qualquer manifestação que releve desta: seja um quadro, uma peça de música erudita ou popular, um espetáculo de bailado, erudito ou popular, um espetáculo de futebol”, lê-se no parecer.

Leite Campos defende ainda que os sucesso alcançados a nível internacional pelos clubes que integram a Liga “muito contribuem para o prestígio cultural do país e para importante receitas provenientes do estrangeiro, através de taças e campeonatos europeus e mundiais”.

“O futebol tem um grande impacto na economia portuguesa, contribuindo com cerca de quatrocentos milhões de euros por ano para o PIB e sendo responsável por quase dois mil postos de trabalho. Nestes termos, e não sendo de modo nenhum esta a base do nosso discurso, seria, parece-nos, sensato o legislador tentar promover a atividade através de uma redução do IVA. As receitas deste são hoje apesar de tudo, reduzidas, e os efeitos favoráveis de uma redução da taxa do IVA parecem óbvios”, fundamentou.

De acordo com o último anuário do futebol profissional português publicado, relativo à época 2017-2018, e que foi elaborado pela EY Portugal para a Liga Portugal, a atividade da Liga produziu 24 milhões de euros em impostos para o Estado.

Ler mais
Relacionadas

Pedro Proença: “IVA dos bilhetes de 23% para 6%? Espero que se concretize já no OE 2020”

Em entrevista à Antena 1, o presidente da Liga de Clubes defende que o Governo baixe o IVA dos bilhetes do futebol de 23% para 6% e espera que isso aconteça já na proposta de orçamento do estado para 2020

Pedro Proença: “Centralização da venda dos direitos televisivos na Liga? Só daqui a 8 épocas”

Em entrevista à Antena 1, Pedro Proença, presidente da liga de Clubes, continua a defender este caminho para dotar o futebol português de mais recursos financeiros, mas, porque há contratos em vigor, a centralização só deverá avançar na temporada de 2026/2027.

Pedro Proença reeleito para mais um mandato na Liga de clubes

O dirigente, que liderava a lista única que se apresentou a sufrágio, vai cumprir o segundo mandato de quatro anos à frente do organismo, recebendo a confiança da maior parte das sociedades desportivas no ato eleitoral, que hoje decorreu na sede da LPFP, no Porto.
Recomendadas

“João Félix pode ser um jogador, como os ingleses chamam, ‘outstanding’”

Em entrevista ao programa ‘Jogo Económico’, Pedro Mil-Homens, responsável máximo pela formação do SL Benfica, mostrou convicção de que João Félix vai vingar no futebol internacional.

“Atlético de Madrid? Se fosse o João Félix este não seria o projeto desportivo que escolheria”

No programa ‘Jogo Económico’, Pedro Mil-Homens, o diretor da Caixa Futebol Campus, academia do SL Benfica, garantiu que, no lugar de João Félix, nunca escolheria o Atlético de Madrid como projeto desportivo.

“Jorge Jesus não deu consentimento para a entrada dos adeptos em Alcochete”, diz advogado do treinador

Em declarações ao Jornal Económico, Luís Miguel Henrique, responde às afirmações do advogado de um dos arguidos no processo, que esta segunda-feira referiu ter sido o técnico a permitir a entrada dos adeptos na Academia de Alcochete, e não Bruno de Carvalho.
Comentários