PremiumLinklaters e Garrigues partilham venda de ativos do Novo Banco

Consultora Alantra assessora processos de venda de ativos do Novo Banco, no valor global de 1,8 mil milhões de euros.

Cristina Bernardo

O Novo Banco arrancou com o processo de venda de um vasto portfólio de crédito malparado (non performing loans, ou NPL), em duas operações que são assessoradas pela consultora espanhola Alantra e que prometem ocupar também algumas das principais sociedades de advogados. Ao que o Jornal Económico apurou, a Linklaters está a assessorar uma dessas operações, de venda de carteiras de NPL no valor de 1,1 mil milhões de euros, ao passo que o assessor jurídico do outro processo, no valor de 700 milhões, será a Garrigues.

O “Projeto Nata” tem lugar numa altura em que os principais bancos procuram entrar no novo ano com os seus balanços limpos de NPL e de outros ativos que penalizam os seus rácios de capital. Mas o processo do Novo Banco é o maior jamais realizado de uma só vez por um banco em Portugal, contando com uma garantia do Fundo de Resolução para eventuais perdas. Esta venda começou por ser entregue à KPMG, mas posteriormente a Alantra – que em Portugal é liderada por Rita Barosa, ex-quadro do BES – integrou a equipa daquela firma que se dedicava a esta área de negócio, ficando assnov o vancom com o processo.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

Recomendadas

Ordem dos Advogados propõe quotas mais baixas e novo escalão para mais novos

Consulte aqui os valores propostos para o próximo ano, a entrar em vigor a partir de 1 de janeiro de 2019. Segundo esta entidade, a decisão deve-se à “reivindicação” dos profissionais devido ao “elevado valor das quotas dos seus associados individuais”.

Ordem dos Advogados propõe redução de quotas em 2019

A Ordem dos Advogados elaborou uma proposta de redução anual das quotas dos advogados num total de 1,2 milhões de euros, que será discutida em assembleia geral extraordinária a 15 de outubro.

Sonae pretende colocar 25% do negócio do retalho em bolsa

A IPO será composta por uma oferta pública a investidores qualificados e não qualificados em Portugal, bem como uma oferta particular internacional a investidores institucionais, anunciou a retalhista.
Comentários