PremiumLinklaters e Garrigues partilham venda de ativos do Novo Banco

Consultora Alantra assessora processos de venda de ativos do Novo Banco, no valor global de 1,8 mil milhões de euros.

Cristina Bernardo

O Novo Banco arrancou com o processo de venda de um vasto portfólio de crédito malparado (non performing loans, ou NPL), em duas operações que são assessoradas pela consultora espanhola Alantra e que prometem ocupar também algumas das principais sociedades de advogados. Ao que o Jornal Económico apurou, a Linklaters está a assessorar uma dessas operações, de venda de carteiras de NPL no valor de 1,1 mil milhões de euros, ao passo que o assessor jurídico do outro processo, no valor de 700 milhões, será a Garrigues.

O “Projeto Nata” tem lugar numa altura em que os principais bancos procuram entrar no novo ano com os seus balanços limpos de NPL e de outros ativos que penalizam os seus rácios de capital. Mas o processo do Novo Banco é o maior jamais realizado de uma só vez por um banco em Portugal, contando com uma garantia do Fundo de Resolução para eventuais perdas. Esta venda começou por ser entregue à KPMG, mas posteriormente a Alantra – que em Portugal é liderada por Rita Barosa, ex-quadro do BES – integrou a equipa daquela firma que se dedicava a esta área de negócio, ficando assim com o processo.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

Recomendadas

Cuatrecasas apoia Indico Capital Partners na criação do fundo de 46 milhões de euros

A Cuatrecasas, Gonçalves Pereira prestou assessoria jurídica à Indico Capital Partners no lançamento do seu primeiro fundo de investimento em capital risco, com mais de 46 milhões de euros – comprometidos por investidores de oito países diferentes –, para investir em startups tecnológicas.

Jerónimo Martins e Sonae voltam a subir no ‘ranking’ global do retalho

“Para os retalhistas, estes indicadores macroeconómicos vão traduzir-se num crescimento mais lento dos gastos de consumo, no aumento dos preços e em perturbações nas cadeias de fornecimentos globais”, apontou, em comunicado, Miguel Eiras Antunes, sócio da Deloitte.

Bastonário dos advogados defende “adequação das custas e taxas judiciais ao país real”

Em discurso proferido hoje na sessão solene de abertura do ano judicial, Guilherme Figueiredo alertou para uma justiça que está “doente” e assim continuará enquanto “mantivermos uma justiça para ricos e uma justiça para pobres”.
Comentários