PremiumLinklaters e Garrigues partilham venda de ativos do Novo Banco

Consultora Alantra assessora processos de venda de ativos do Novo Banco, no valor global de 1,8 mil milhões de euros.

Cristina Bernardo

O Novo Banco arrancou com o processo de venda de um vasto portfólio de crédito malparado (non performing loans, ou NPL), em duas operações que são assessoradas pela consultora espanhola Alantra e que prometem ocupar também algumas das principais sociedades de advogados. Ao que o Jornal Económico apurou, a Linklaters está a assessorar uma dessas operações, de venda de carteiras de NPL no valor de 1,1 mil milhões de euros, ao passo que o assessor jurídico do outro processo, no valor de 700 milhões, será a Garrigues.

O “Projeto Nata” tem lugar numa altura em que os principais bancos procuram entrar no novo ano com os seus balanços limpos de NPL e de outros ativos que penalizam os seus rácios de capital. Mas o processo do Novo Banco é o maior jamais realizado de uma só vez por um banco em Portugal, contando com uma garantia do Fundo de Resolução para eventuais perdas. Esta venda começou por ser entregue à KPMG, mas posteriormente a Alantra – que em Portugal é liderada por Rita Barosa, ex-quadro do BES – integrou a equipa daquela firma que se dedicava a esta área de negócio, ficando assim com o processo.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

Recomendadas

Suborno, corrupção e o retrato de Dorian Gray

No que à gestão diz respeito este não é um tema menor, alheio aos deveres de um gestor diligente, porque também na gestão deste risco “a sorte não existe. Aquilo a que chamas sorte é atenção aos detalhes”.

João Massano candidata-se a presidente do Conselho Regional de Lisboa da Ordem dos Advogados

O advogado vai apoiar e integrar a candidatura de António Jaime Martins a bastonário. “A valorização do advogado, individualmente, e da advocacia, no seu todo, promove-se através da formação e da partilha de experiências multidisciplinares, que trazem à classe uma atualização dos temas e das questões legais que estão na ordem do dia”, defende.

PremiumAurélia Sousa: “É esta era pós digital que pode permitir diferenciação no mercado”

A managing director da Accenture Technology explica como o “Poder Darq” é uma das tendências tecnológicas que as organizações devem considerar para serem bem-sucedidas.
Comentários