Lisboa e Porto com mil milhões para novas linhas de metro

O metro do Porto vai contar com 620 milhões para se expandir no Porto, enquanto o metro da capital vai ter um total de 445 milhões de euros, avança o Jornal de Notícias.

Os metros de Lisboa e do Porto vão contar com mil milhões de euros para se expandirem entre 2020 e 2023. O investimento está a ser avançado esta quinta-feira pelo Jornal de Notícias, que noticia que esta expansão vai ser aprovada hoje em Conselho de Ministros.

O metro do Porto vai contar com 620 milhões para se expandir no Porto, enquanto o metro da capital vai ter um total de 445 milhões de euros.

Para já, o plano em Lisboa é prolongar a linha vermelha até Campo de Ourique. Outro investimento anunciado esta semana, mas fora deste pacote, foi o prolongamento das linhas amarela e verde entre o Rato e o Cais do Sodré.

Já no Porto, o Plano Nacional de Investimentos para a próxima década prevê três grandes projetos: segunda linha para Gaia, com uma nova ponte sobre o rio Douro a ligar a Casa da Música às Devesas; construir a linha de São Mamede de Infesta (Matosinhos) entre Fonte de Cuco e o hospital de São João; ligar o estádio do Dragão ao Souto em Gondomar, via Valbom, escreve o Jornal de Notícias.

 

 

Ler mais
Relacionadas

Metro de Lisboa: “Faltam estudos” sobre novo investimento, criticam trabalhadores

Os trabalhadores do Metro de Lisboa lançaram, em resposta ao governo, uma carta onde expressam o seu agrado com a expansão mas também alguns receios em relação ao futuro funcionamento das linhas Amarela e Verde.

António Costa: “O aeroporto não se fará se o estudo de impacto ambiental não o permitir”

As declarações do primeiro-ministro surgem um dia após a assinatura do acordo entre o Estado e a ANA – Aeroportos de Portugal, que prevê um investimento de 1,15 mil milhões de euros até 2028.

Concurso para novas estações no Metro de Lisboa lançado hoje

O concurso para a construção das novas estações do Metropolitano de Lisboa, Estrela e Santos, e consequente prolongamento das linhas Amarela e Verde, é lançado esta quarta-feira, num investimento de 210 milhões de euros.
Recomendadas

CGD com “insuficiências” na análise de risco na concessão de crédito

Entre 2008 e 2013, o volume de créditos em incumprimento na CGD aumentou exponencialmente, de 1,5 mil milhões para 5,2 mil milhões, com os rácios a passarem de 2,3% para 7,5% respetivamente, segundo a auditoria. As imparidades, por sua vez, passaram de 3,2 mil milhões para 5,3 mil milhões de euros.

Inquérito/Energia: Vieira da Silva delegou em Zorrinho mas subscreve decisões

Vieira da Silva disse ainda “não ter dúvidas” de que “estrategicamente, teria sido vantajoso permanência do Estado na REN”, e adianta que “várias das medidas que o governo teve de tomar foram decididas num quadro de emergência.

Intervenção do Estado nas decisões da CGD teve “influência adversa”

A EY identificou, sobretudo, três situações originadas pelas estratégias definidas por sucessivos governos.
Comentários