Lisboa quer impor um garrote financeiro à Região

Pedro Calado acusa António Costa de estar obcecado com as eleições e de querer gerir a Madeira a partir de Lisboa via “uma marioneta”.

A Assembleia Regional deu um parecer desfavorável ao OE2019, muito devido a assuntos pendentes entre a Região e a República. Porque é que nunca houve um convergir de vontades para resolver estes assuntos?

Acho que o que está a motivar este Governo da República é a obsessão eleitoral pelo ano 2019. O Governo e o Primeiro-Ministro querem, à força, entrar na Madeira e gerir a Madeira a partir do Continente. Isso é uma coisa que os madeirenses nunca vão aceitar. A Madeira é uma região autónoma, que tem os seus órgãos de soberania, de decisão. Naturalmente respeitamos as leis que existem e  o espaço nacional. A única coisa que não aceitamos é a ingerência e o compactuar com determinadas decisões como tem acontecido, quer na questão do novo hospital, da taxa de juro, das dívidas dos subsistemas de saúde que existem há anos e que não são respeitadas, da sobretaxa do IRS que foi aplicada e os madeirenses pagaram 70 milhões a mais e que deveria ter ficado na Região.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

Recomendadas

Pedro Calado assegura que exploração dos portos está a ser revista e mostra abertura para entrada de outros operadores

O governante abordou ainda a situação dos estivadores dizendo que os estivadores “não é um problema” da Região, mas algo que iniciou no Porto de Setúbal.

Porto Santo recebe testes para instalação de contadores inteligentes

Os testes vão decorrer até ao final da semana, havendo a expetativas destes contadores serem instalados no início de 2019.

Verbas para promoção da Madeira chegam aos 7,2 milhões de euros

Na sessão plenária de abertura da discussão do Orçamento Regional, Pedro Calado, vice-presidente do Governo Regional, afirmou o turismo como sendo uma das áreas estratégicas para o executivo madeirense.
Comentários