Lisboa quer impor um garrote financeiro à Região

Pedro Calado acusa António Costa de estar obcecado com as eleições e de querer gerir a Madeira a partir de Lisboa via “uma marioneta”.

A Assembleia Regional deu um parecer desfavorável ao OE2019, muito devido a assuntos pendentes entre a Região e a República. Porque é que nunca houve um convergir de vontades para resolver estes assuntos?

Acho que o que está a motivar este Governo da República é a obsessão eleitoral pelo ano 2019. O Governo e o Primeiro-Ministro querem, à força, entrar na Madeira e gerir a Madeira a partir do Continente. Isso é uma coisa que os madeirenses nunca vão aceitar. A Madeira é uma região autónoma, que tem os seus órgãos de soberania, de decisão. Naturalmente respeitamos as leis que existem e  o espaço nacional. A única coisa que não aceitamos é a ingerência e o compactuar com determinadas decisões como tem acontecido, quer na questão do novo hospital, da taxa de juro, das dívidas dos subsistemas de saúde que existem há anos e que não são respeitadas, da sobretaxa do IRS que foi aplicada e os madeirenses pagaram 70 milhões a mais e que deveria ter ficado na Região.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

Recomendadas

Tertúlia dedicada às “40 Figuras Empreendedoras da Cultura Madeirense”

De Alberto João Jardim a Cristiano Ronaldo, passandopor Nini Andrade, João carlos Abreu, William Hinton ou Mary Jane Wilson, a tertúlia é inspirada no livro da historiadora Cristina Trindade.

Madeira SAD perde final europeia da Taça Challenge

O Madeira SAD foi derrotado no jogo da segunda mão por 26-20, depois de ter empatado no primeiro jogo 22-22.

Governo Regional entrega até 91,2 mil euros a Casas do Povo

Foram realizados dois contratos-programa com a Associação de Desenvolvimento da Região Autónoma da Madeira (ADRAMA) e com a Associação de Casas do Povo da RAM (ACAPORAM) que pode chegar até aos 50 mil euros.
Comentários