Lisboa reforça fiscalização do alojamento local

Manuel Salgado, vereador do Urbanismo, refere que a Câmara Municipal de Lisboa tem vindo a cancelar novos registos feitos em zonas de contenção. Só num mês a autarquia opôs-se a 27.

A Câmara Municipal de Lisboa vai reforçar as equipas de fiscalização às unidades de arrendamento a turistas no terreno, para completar o controlo feito pelo Registo Nacional do Alojamento Local (RNAL), escreve o “Jornal de Negócios” na edição desta quinta-feira.

Em entrevista ao diário de economia, Manuel Salgado, vereador do Urbanismo e da Reabilitação Urbana, refere também que a autarquia tem vindo a cancelar novos registos feitos em zonas de contenção. Só num mês a autarquia opôs-se a 27.

“Temos de reforçar muito a nossa capacidade de fiscalização para garantir a gestão deste processo. A câmara vai ter de reforçar os seus meios. Acompanhámos muito este problema com outras câmaras, Barcelona, por exemplo, tem um batalhão de pessoas a trabalhar nos registos de queixas, de denúncias e verificação de inscrições nas plataformas”, explicou o vereador.

Manuel Salgado sugeriu ainda a dispensação do alojamento local a bairros da cidade que, geralmente, não têm ocupação turística desta natureza.

Relacionadas

Alojamento Local: estas são as 8 tendências que marcam o mercado

Em Portugal, os proprietários de uma residência secundária são maioritariamente portugueses (81%), o que coloca Portugal no 3ª lugar no ranking dos que mais alugam as suas residências secundárias.

Alojamento local, reminiscências do passado?

A simplicidade inicial do regime tem-se perdido a pouco e pouco, ficando por determinar se as presentes medidas irão alcançar os pretendidos efeitos de contenção da exploração de imóveis para fins turísticos.

Nova lei do alojamento local impõe seguro que não existe

A associação de defesa do consumidor defende que o seguro multirriscos-habitação não serve para o propósito pretendido.
Recomendadas

“Vamos assistir à terceirização do e-commerce”, afirma presidente da ACEPI

O presidente da ACEPI, Alexandre Nilo Fonseca, considera que o ramo alimentar, “que até agora tem estado um bocadinho afastado do digital”, vai assistir a uma evolução no comércio ‘online’.

União Europeia facilita compras digitais mas Portugal falha prazo

“A Comissão está a acompanhar de perto a situação e em breve decidiremos as próximas medidas para garantir que todos os Estados-membros cumprem as suas obrigações”, diz Nathalie Vandystadt, porta-voz de Bruxelas.

Governo de Angola espera recessão de 1,7% em 2018

Ministro da Economia e Planeamento angolano referiu que depois de contrações de 2,6% e 0,1% em 2016 e 2017, respetivamente, a economia angolana deve ter aprofundado a queda no ano passado.
Comentários