PremiumLisboa vai ter o primeiro hotel Hyatt, num investimento de 70 milhões

Entre Alcântara e Belém, junto ao rio Tejo e ao Centro de Congresso de Lisboa, vai nascer o primeiro hotel da cadeia internacional Hyatt em Portugal. Terá 200 unidades de alojamento e deverá abrir em 2020.

Os últimos indicadores estatísticos aparentam que está a assistir-se a um abrandamento do boom turístico que beneficiou Portugal nos últimos anos, em trajetória ascendente consecutiva. Mas o setor hoteleiro no mercado lusitano está ao rubro. É rara a semana em que não é inaugurada uma nova unidade hoteleira, seja pelos principais players nacionais, seja por intermédio dos grandes grupos mundiais. E é evidente a consolidação de uma nova tendência, a aposta forte em investimentos em unidades direcionadas para o topo de gama, para o segmento de luxo.

O anúncio, confirmado em exclusivo ao Jornal Económico, do investimento de 70 milhões de euros num novo hotel de luxo em Lisboa, que deverá estar concluído no final do próximo ano, é mais um sinal nessa direção. Marca a entrada do grupo hoteleiro global UIP – United Investments Portugal na capital portuguesa, logo com a estreia da primeira unidade da prestigiada cadeia hoteleira Hyatt no nosso país.

Posicionado na classe de cinco estrelas superior, este novo hotel vai localizar-se junto ao Centro de Congressos de Lisboa, com vista para o rio Tejo, e terá o nome de batismo de Hyatt Regency Lisboa. No total, serão 200 unidades de alojamento de luxo, com tipologias entre o T0 e o T3, para elevar a oferta hoteleira de topo de gama da capital portuguesa no panorama internacional do setor.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

Recomendadas

Recorde no Airbnb. Mais de 4 milhões de pessoas reservaram alojamento numa só noite

10 de agosto foi um dia histórico para a empresa criada em 2008.

Valor gerido por fundos de investimento imobiliário cai 26 milhões de euros em julho

A Interfundos (13,1%), a Norfin (10,4%) e a Square AM (10,3%) detinham as quotas de mercado mais elevadas em julho.

Há outro sindicato em guerra com o Governo, agora por causa da Ryanair

“A partir deste momento, os trabalhadores portugueses ficam a saber que para o Governo português só se podem fazer greves de um ou dois dias”, acusa o Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil.
Comentários