Lisnave com atividade em alta nos primeiros nove meses de 2017

Os navios reparados pela Lisnave nos primeiros três trimestres de 2017 foram provenientes de 39 clientes diferentes, de 19 países.

A Lisnave reparou 62 navios nos estaleiros da Mitrena, em Setúbal, nos primeiros nove meses do ano passado.

De acordo com a informação disponibilizada no ‘site’ oficial da Lisnave, a empresa de reparação naval aumentou a sua atividade face ao período homólogo de 2016, durante o qual reparou 54 navios, menos oito do que de janeiro a setembro do ano passado.

Os navios reparados pela Lisnave nos primeiros três trimestres de 2017 foram provenientes de 39 clientes diferentes, de 19 países.

Singapura foi o país que mais navios enviou para a Lisnave no período em análise, segundo-se a Grécia (sete), Dinamarca e Alemanha (seis cada), Bélgica e Brasil (cinco navios cada), Venezuela (quatro), e Noruega e Hong Kong (com três navios cada).

“A Lisnave continuar a reparar diversos tipos de navios, apoiada pelo forte ‘know how’ acumulado ao longo de décadas, sendo o tradicional mercado dos petroleiros a representar o maior número de navios reparados (34), seguido por navios porta-contentores com 13 navios e por navios graneleiros com oito navios”, revela um comunicado da Lisnave.

O mesmo documento acrescente no período em causa os clientes da Lisnave que repararam mais navios nos estaleiros da Mitrena foram o líder mundial dos armadores, “a A. P. Moeller/Maersk, com seis navios; V. Ships (do Brasil, Alemanha e Singapura) e Teekay Marina (Noruega e Singapura), com quatro navios cada”.

Ler mais
Recomendadas

Preços predatórios continuam a dominar o setor da segurança privada

O problema do ‘dumping’ no negócio da segurança privada ainda não foi mitigado. A responsabilidade solidária imposta pela Lei da Segurança Privada, de julho, poderá contudo ser a solução.

Segurança privada. Contratação com prejuízo é uma prática generalizada

No geral, os preços de contratação da segurança privada continuam a ser feitos com prejuízo. A rentabilidade dos capitais próprios das empresas do setor é negativa e a lei da segurança privada impõe responsabilidade solidária ao cliente, o que pode contribuir para a redução das más práticas.

Diretiva Netflix: Cofina quer apostar na criação de conteúdos para exportar

À boleia das novas regras europeias que exigem que plataformas como a HBO ou a Netflix tenham 30% de conteúdos europeus, a Cofina espera “intensificar a criação de conteúdos de perfil exportador”, após a compra da Media Capital, dona da Plural, produtora de conteúdos.
Comentários