Literacia financeira

A carta anual de Warren Buffet aos accionistas da Berkshire Hathaway devia ser de leitura obrigatória, não só pela postura no mercado mas, principalmente, pela sua contribuição para a literacia financeira.

No último ano, os mercados financeiros ganharam grande visibilidade. Primeiro com as quedas violentas e expressivas, depois com a forte recuperação, em virtude das intervenções por parte dos bancos centrais, ao anunciarem o apoio incondicional às empresas, aos governos e a planos de estímulo.

À medida que a população ficou confinada e os eventos desportivos foram cancelados, uma nova classe de investidores começou a olhar para o mercado financeiro. Seja pelos cheques enviados aos cidadãos americanos, seja pela necessidade de aplicação das poupanças decorrentes das taxas de juro negativas, hoje temos milhões de investidores a olhar para as diversas classes de activos e milhares de milhões de euros em rotação diariamente.

Pela sua dimensão, em número e valor, e como é cíclico, começaram a aparecer esquemas fraudulentos ou de carácter duvidoso, cuja finalidade é a apropriação do dinheiro ou o enriquecimento rápido, deixando as empresas reguladas e os analistas financeiros registados, a par com as lamentações dos investidores e com o risco reputacional do investimento no mercado.

Tal como a febre do ouro, a febre das criptomoedas, ou do investimento em empresas tecnológicas com promessa de enriquecimento fácil, tem consequências, as quais normalmente acabam por ser pagas pelos investidores com menos conhecimento.

Esta febre é também propícia ao aparecimento de cursos e novos entusiastas com pouca experiência ou nenhuma no sector financeiro, cujo objectivo, mais uma vez, é a venda de sonhos e muitas vezes de nenhum conteúdo, a não ser banalidades que todos aceitamos como correctas. As plataforma digitais, como o TikTok, YouTube, Facebook, Twitter, são o palco perfeito para esta venda e destruição de sonhos, que tem escapado a reguladores.

Na carta anual que Warren Buffet dirige aos seus accionistas, a Berkshire Hathaway faz um alerta aos entusiastas por gurus e price targets ou ideias para enriquecimento rápido.

A criação de valor e riqueza numa empresa é um processo de longo prazo, por vezes com fases mais rápidas de crescimento, mas que assenta na confiança de longo prazo. O aumento da volatilidade, a par do estado de espírito dos investidores impulsionado por estratégias de enriquecimento de curto prazo, é algo que deve preocupar todos, pois a probabilidade de perda aumenta substancialmente.

A carta da Berkshire devia ser de leitura obrigatória, não só pela postura no mercado mas, principalmente, pela sua contribuição para a literacia financeira ao explicar os princípios básicos da capitalização, da aplicação de resultados e da obtenção da liberdade financeira para construir os objectivos de vida.

Os ensinamentos de dezenas de anos de experiência estão disponíveis e à mesma distância das fraudes, e têm um valor inestimável. No fim de contas, o sucesso depende do planeamento e da paciência necessários para colher os frutos do investimento.

O autor escreve de acordo com a antiga ortografia.

Recomendadas

Sócrates: chegou a hora de o PS fazer a sua autocrítica

O país merece esse gesto de humildade por parte do PS, tal como muitos dos seus próprios militantes e apoiantes que hoje se sentem defraudados por uma pessoa em quem confiaram.

Uma nação indignada

O que revolta mais neste processo, por ser sistémico, é saber que até há pouco tempo muitos dos arguidos usaram o imenso poder que tinham de forma desastrosa, causando danos ao país, às empresas e aos contribuintes.

Ainda somos sujeitos?

Os ‘big data’ só se alimentam do passado. O resultado é algoritmos que são tão filhos da Inteligência Artificial como da segregação. Por exemplo, softwares de reconhecimento facial que imputam rótulos de sociabilidade, marginalidade com base na cor da pele, na etnia, no género.
Comentários