Livre circulação para o Reino Unido termina em março de 2019

Governo do Reino Unido manteve a sua posição face às negociações em curso com a União Europeia e reiterou o fim da livre circulação de cidadãos para março de 2019.

Stefan Wermuth/REUTERS

A linha negocial mantida por Theresa May desde janeiro de 2017 é para manter, diz o Governo britânico. E isso inclui o fim da livre circulação de pessoas a partir de março de 2019.

No entanto, em comentários que alguns analistas consideram ser um retrocesso face às linhas duras de negociação do Governo inglês, Philip Hammond afirmou que o Reino Unido não serão um concorrente desregulado e low-cost da União Europeia (UE) depois do Brexit. Hammond afirmou a um jornal francês que o Reino Unido (RU) planeia manter-se “reconhecidamente europeu” depois de deixar a UE.

Ao mesmo tempo, Liam Fox, o Secretário dos Negócios Estrangeiros de Theresa May, declarou ao Sunday Times que “a circulação livre e desregulada” de pessoas entre o RU e a UE depois do Brexit não seria justo para com a decisão dos eleitores no referendo de 2016. Os comentários de Fox foram tidos em conta como uma tomada de posição antagónica à de Hammond por alguns ministros pró-Brexit.

No seguimento destas declarações, o porta-voz da primeira-ministra afirmou esta segunda-feira que não há alterações à posição do Governo: “A posição do Governo mantém-se face ao que foi referido pela primeira-ministra na Lancaster House”, disse o porta-voz, referindo-se ao discurso de janeiro passado, em que Theresa May levantou pela primeira vez a possibilidade de um “Hard Brexit”.

O porta-voz disse ainda que os “elementos referentes ao sistema de imigração pós-Brexit serão apresentados na altura devida”, concluindo que “seria errado especular sobre quais serão esses elementos e se a livre circulação irá continuar”.

Relacionadas

Maior banco japonês arruma as mala e ruma a Amesterdão antes do Brexit

Embora ainda sem confirmação oficial, Amesterdão parece ser a escolha do credor japonês na feroz competição entre as capitais europeias. A decisão contraria a escolha dos principais rivais japoneses da MUFG, que escolheram Frankfurt para continuar a atuar no mercado único.

Quanto custou salvar o euro? 1,2 biliões de euros, responde o Deutsche Bank

Há cinco anos, Draghi afirmou que iria fazer tudo o que fosse necessário para salvar o euro. O Deutsche Bank calculou que o esforço custou 1,2 biliões, um número que levou os analistas a identificar “uma confluência estranha que faz lembrar o Código Da Vinci”.
Recomendadas

Preços da habitação aumentam 11,2% no segundo trimestre

Apesar da subida, os dados do INE revelaram uma interrupção da aceleração dos preços, que tinha sido consecutiva durante os cinco trimestres anteriores.

Défice do primeiro semestre fixou-se em 1,9%

Dados revelados pelo INE esta sexta-feira revelam melhoria face aos primeiros seis meses de 2017, no qual o saldo global das Administrações Públicas (AP) se tinha fixado em 6,1%, devido ao impacto da recapitalização da CGD.

Já não há dúvidas. INE confirma pela segunda vez que CGD entra no défice de 2017

A confirmação foi dada pelo Instituto Nacional de Estatísticas (INE), que enviou esta sexta-feira para o Eurostat a segunda notificação anual no âmbito dos Procedimento dos Défices Excessivos (PDE).
Comentários