Lousã isenta de IMI edifícios afetados por fogos de outubro de 2017

O município da Lousã, no distrito de Coimbra, decidiu isentar de Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI) os edifícios parcial ou totalmente afetados pelos incêndios de 15 de outubro, foi hoje anunciado.

Bombeiros combatem um incêndio nas arribas da Foz do Arelho, Caldas da Rainha, 15 de outubro de 2017. CARLOS BARROSO/LUSA

Além desta medida, a autarquia tinha já delimitado uma Área de Reconstrução Urgente que isenta os imóveis afetados de diversas taxas e procedimentos.

“Estas medidas têm como objetivo aliviar a carga fiscal e desonerar as pessoas afetadas pelos incêndios do pagamento de um imposto sobre os imóveis destruídos pelos incêndios, tentando desta forma minimizar as consequências da relevante destruição patrimonial causada pelo incêndio”, refere o município, em comunicado.

Citado na nota, o presidente da Câmara Municipal, Luís Antunes, afirma que “as medidas de apoio aprovadas visam auxiliar as pessoas que viram os seus bens destruídos pela catástrofe de 15 de outubro”.

“A isenção do IMI, de diversas outras taxas e a desburocratização do processo serão certamente um auxílio importante para que os afetados possam reconstruir os edifícios total ou parcialmente danificados”, sublinhou.

O autarca destacou ainda que estas medidas e outros apoios decididos pelo município “têm, também, como objetivo, que os afetados possam voltar à normalidade do seu quotidiano com a maior brevidade possível”.

Recomendadas

Bolsa nacional escapa a ‘maré vermelha’ europeia

Se NOS e Galp Energia impulsionaram a sessão de hoje do PSI20, destaque ainda para a Sonae (valorizou 1,26% para 84,7 cêntimos) e para a Navigator (cresceu 0,76% para 4,25 euros).

Governo aprova benefícios fiscais para investimentos de 400 milhões de euros

Investimentos representam 390 milhões de euros e a criação de postos de trabalho.

Produção automóvel em Portugal cresce 101,5% em setembro

A Europa continua a ser o mercado líder nas exportações dos veículos fabricados em território nacional – com 90,2 por cento – com a Alemanha (21,4%), França (14,6%), Itália (11,9%) e Espanha (10,1%) no topo do ranking.
Comentários