Lucro da NOS cresce 17% até setembro para 123 milhões de euros

O resultado líquido da NOS subiu 17% nos primeiros nove meses do ano face a igual período de 2017, para 123 milhões de euros, anunciou esta quinta-feira a operadora de telecomunicações.

Em comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), a NOS adianta que as receitas de exploração progrediram 0,7% para 1.167 milhões de euros, sendo que as de telecomunicações aumentaram 1,2% para 1.116 milhões de euros.

O resultado antes de impostos, juros, depreciações e amortizações (EBITDA) cresceu 2,9% entre janeiro e setembro, face ao período homólogo do ano passado, para 461,7 milhões de euros.

“O resultado líquido consolidado da NOS, no terceiro trimestre deste ano, atingiu 44,1 milhões de euros, representando uma evolução de 34,1% face ao mesmo período do ano passado”, refere a empresa, adiantando que entre julho e setembro as receitas “apresentaram uma progressão de 1,7%, face ao terceiro trimestre do ano passado, quando ajustadas para efeitos regulatórios, nomeadamente a descida das taxas da terminação móvel”.

Já as receitas do negócio de comunicações aumentaram 0,9% para 376,2 milhões de euros (crescimento ajustado de 1,8%), no trimestre em análise.NOS

Recomendadas

OCDE quer maior facilidade nos processos de insolvência em Portugal

No relatório sobre a economia portuguesa, a OCDE explica que a rendibilidade da banca melhorou, mas continua baixa e que o crédito malparado tem vindo a diminuir, mas continua elevado. Facilitar a liquidação de empresas insolventes e reduzir as restrições à sua saída do mercado estão entre as recomendações.

Subida de taxas de juro do BCE terá impacto negativo para famílias e empresas, alerta OCDE

OCDE considera que normalização da política monetária por Frankfurt poderá ter um impacto negativo para as despesas das famílias e empresas portuguesas. Consolidação orçamental é para manter, diz, e aconselha limitar o acesso às reformas antecipadas.

OCDE recomenda que Portugal suba os impostos sobre o gasóleo

OCDE considera que existe margem para aumentar a fiscalidade ambiental e que “tarifários nacionais de algumas fontes de energia não refletem os custos ambientais associados à sua utilização”. Promoção de utilização de transportes públicos e novas soluções de transporte partilhados são também recomendadas.
Comentários