Lucro da NOS cresce 17% até setembro para 123 milhões de euros

O resultado líquido da NOS subiu 17% nos primeiros nove meses do ano face a igual período de 2017, para 123 milhões de euros, anunciou esta quinta-feira a operadora de telecomunicações.

Em comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), a NOS adianta que as receitas de exploração progrediram 0,7% para 1.167 milhões de euros, sendo que as de telecomunicações aumentaram 1,2% para 1.116 milhões de euros.

O resultado antes de impostos, juros, depreciações e amortizações (EBITDA) cresceu 2,9% entre janeiro e setembro, face ao período homólogo do ano passado, para 461,7 milhões de euros.

“O resultado líquido consolidado da NOS, no terceiro trimestre deste ano, atingiu 44,1 milhões de euros, representando uma evolução de 34,1% face ao mesmo período do ano passado”, refere a empresa, adiantando que entre julho e setembro as receitas “apresentaram uma progressão de 1,7%, face ao terceiro trimestre do ano passado, quando ajustadas para efeitos regulatórios, nomeadamente a descida das taxas da terminação móvel”.

Já as receitas do negócio de comunicações aumentaram 0,9% para 376,2 milhões de euros (crescimento ajustado de 1,8%), no trimestre em análise.NOS

Recomendadas

Fed: reuniões apontam debilidade na inflação como “transitória”

De acordo com as conclusões retiradas do encontro que teve lugar a 30 de abril e 1 de maio, os principais responsáveis pelo grupo que define a política monetária norte-americana determinaram que manter a paciência “é a postura adequada” neste momento.

Radares. Lisboa investe 3,2 milhões de euros para duplicar rede

Preço base do concurso público é de cerca de 1,3 milhões de euros para a aquisição de novos radares e de 1,3 milhões euros para a substituição dos existentes, valor ao qual acresce o IVA, perfazendo um investimento total de cerca de 3,2 milhões.

É como “viver num paraíso fiscal”. Portugal está a atrair os multimilionários brasileiros

Cada vez mais brasileiros de classe alta estão a ser atraídos para terras lusas, devido à expansão no mercado imobiliário e benefícios fiscais que Portugal oferece.
Comentários