Lucros da EDP afundam 39% para 100 milhões no primeiro trimestre

O resultado líquido do primeiro trimestre ficou abaixo do previsto pelo consenso dos analistas. Menos chuva e menos vento provocaram uma queda de 13% na produção da elétrica.

Cristina Bernardo

Os lucros da EDP afundaram 39% para 100 milhões de euros no primeiro trimestre face a período homólogo, anunciou hoje a empresa. Os lucros antes de juros, impostos, depreciações e amortizações (EBITDA) subiram 3% para 921 milhões de euros durante este período.

A companhia foi impactada negativamente por menos chuva e menos vento no primeiro trimestre, o que provocou um recuo de 13% na produção da EDP para 17.974 gigawatts hora até março.

“Os benefícios da expansão do portfólio (41 milhões de euros) foram penalizados por um impacto negativo de 149 milhões de euros face ao período homólogo, causado pela fraca hidraulicidade e, de certo modo, fraca eolicidade: A hidraulicidade em Portugal diminuiu 48% e a eolicidade, em média, nas nossas geografias diminuiu 7%, face à média de longo prazo”, explica a companhia no comunicado divulgado esta quinta-feira, 16 de maio.

Os resultados financeiros líquidos do grupo, incluindo associadas e ‘joint-ventures’, desceram 43% para -180 milhões de euros até março. Estes resultados foram “penalizados por um efeito desfavorável em termos comparativos com o período homólogo do ano passado nos resultados com coberturas financeiras (-21 milhões face ao primeiro trimestre de 2018), pela adopção da IFRS 16 (-10 milhões face ao primeiro trimestre de 2018) e pelo ganho não recorrente registado no primeiro trimestre de 2018 na venda de uma participação de 20% no nosso projecto offshore no Reino Unido (15 milhões no primeiro trimestre de 2018)”.

Neste período, a dívida líquida da empresa aumentou 268 milhões de euros para um total de 13.700 milhões de euros “reflexo de aceleração de crescimento e de pagamentos a fornecedores de imobilizado, enquanto o encaixe de transacções de rotações de ativos são apenas esperados nos próximos trimestres”.

Este resultado fica abaixo da estimativa média de oito analistas que apontava para um lucro líquido de 116 milhões de euros, um tombo de 30% face a período homólogo, devido à descida dos lucros da EDP Renováveis e ao recuo na produção causado por menos chuva e vento.

Esta estimativa, divulgada pela EDP, apontava que o EBITDA deveria atingir os 889 milhões de euros, uma queda face aos 893 milhões atingidos em período homólogo.

Recorde-se que os lucros da EDP Renováveis desceram 35% para 61 milhões de euros no primeiro trimestre face a período homólogo. O resultado foi afetado pelo menor recurso eólicos, menos 4 pontos percentuais face ao trimestre homólogo, com um impacto negativo de 64 milhões de euros. A pesar nos resultados também estiveram os custos financeiros líquidos que subiram 80% neste período.

 

Há vida além da OPA? Especulação sobre novidades no Brasil rouba atenção aos resultados da EDP

Ler mais
Relacionadas

EDP mobiliza clientes para ajudarem IPSS na produção de energia renovável

Com esta iniciativa solidária os clientes da EDP vão também poder ajudar a doar painéis solares a instituições de solidariedade social quando adquirirem sistemas solares para as suas habitações.

Há vida além da OPA? Especulação sobre novidades no Brasil rouba atenção aos resultados da EDP

A energética apresenta números do primeiro trimestre esta quinta-feira, com os analistas a preveram uma queda de 30% no lucro devido a fatores climatéricos. No entanto, após a morte da OPA da CTG, o mercado está focado em novidades sobre a parceria entre as duas empresas, especialmente no Brasil.

Capítulo sobre as barragens da EDP excluído do relatório da comissão de inquérito

O relatório final da Comissão Parlamentar de Inquérito ao Pagamento de Rendas Excessivas aos Produtores de Eletricidade, redigido pelo deputado Jorge Costa do BE, deverá acabar por ser aprovado. Mas o capítulo sobre a “a extensão sem concurso do uso do Domínio Público Hídrico a favor da EDP” já foi chumbado.
Recomendadas

Saiba em que casos as empresas podem controlar trabalhadores com recolha de dados biométricos

Embora o Regulamento Geral sobre a Proteção de Dados (RGPD), que foi entrou em vigor há um ano, proíba o tratamento de dados biométricos, há exceções previstas na lei que possibilitar às empresas usar esta informação para controlar a assiduidade dos trabalhadores. Saiba quais.

Sony e Microsoft juntam-se para desenvolver soluções de jogo na cloud

A parceria prevê também que a empresa nipónica utilize os data centers da empresa de Redmond com as atuais plataformas de gaming e streaming.

PremiumPortugal tem cinco mil postos de combustível para descontaminar

A legislação sobre os solos contaminados continua ‘engavetada’, e esteve em debate com vários especialistas na Agência Portuguesa do Ambiente.
Comentários