Lucros do último trimestre de 2019 do Wells Fargo tombam mais de 50%

O banco sedeado em São Francisco fez uma provisão de 1,5 mil milhões para eventuais custos com processos judiciais o que fez aumentar as despesas não core em 17% no último trimestre. Os processos judiciais arrastam-se desde 2016, quando colaboradores do banco falsificaram milhares de contas para alcançarem os objetivos. CFO culpa ambiente de taxas de juro negativo para explicar queda nos lucros.

Os lucros dos últimos três meses de 2019 do banco norte-americano Wells Fargo derraparam 53% em termos homólogos para 2,87 mil milhões (2,58 mil milhões de euros à taxa de câmbio atual) – há um ano tinham-se fixado nos 6,06 mil milhões de dólares. Os lucros por ação ficaram nos 0,93 dólares se excluirmos os custos legais, mas ficaram abaixo das estimativas da Refinitiv, que previa um ganho por ação de 1,12 dólares.

No mesmo período, as receitas do Wells Fargo ascenderam a 19,9 mil milhões de dólares, ligeiramente abaixo dos 21 mil milhões registados no último trimestre de 2018.

O banco sedeado em São Francisco fez uma provisão de 1,5 mil milhões para eventuais custos com processos judiciais o que fez aumentar as despesas não core em 17% no último trimestre. Os processos judiciais arrastam-se desde 2016, quando colaboradores do banco falsificaram milhares de contas para alcançarem os objetivos.

Os três meses entre outubro e dezembro de 2019 marcam o primeiro trimestre da gestão do Wells Fargo liderada por Charles Scharf, o CEO que substituiu Tim Sloan em outubro do ano passado. Scharf disse, em comunicado que o “Wells Fargo (…) cometeu erros sérios e o meu mandato é fazer as alterações fundamentais e necessárias para reconquistar a confiança total e o respeito de todos os acionistas”.

Por seu turno, John Shrewsberry, CFO do Wells Fargo, apontou as baixas taxas de juro para explicar a queda dos lucros do banco. “Os lucros caíram no quarto trimestre principalmente devido ao impacto do contexto atual de baixas taxas de juro”, frisou Shrewsberry no comunicado. “Além disso, embora estejamos a investir o que é necessário para melhorar a gestão de risco, as nossas despesas foram muito elevadas e tornarmo-nos mais eficientes permanece uma das grandes prioridades”, adiantou o CFO.

Face ao último trimestre de 2018, as despesas aumentaram 415 milhões de dólares nos últimos três meses de 2019 para 15,6 mil milhões de dólares. Além da provisão de 1,5 mil milhões, o aumento das despesas deve-se ainda ao pagamento de benefícios devidos aos colaboradores do banco de 263 milhões e custos de manutenção.

O Wells Fargo apresentou os resultados trimestrais antes da abertura de Wall Street. Na sessão desta terça-feira, as ações do banco de São Francisco já perderam 3,11%, para 50,49 dólares.

Ler mais
Relacionadas

JPMorgan Chase supera estimativas com lucros recorde de 36,4 mil milhões de dólares

No último trimestre de 2019, o banco liderado por Jamie Dimon apresentou lucros de 8,5 mil milhões de dólares, 20,5% acima dos lucros dos últimos três meses de 2018, superando as estimativas dos analistas sondados pela “Bloomberg”, que apontavam para lucros trimestrais no valor de 7,45 mil milhões de dólares.

Apesar da economia resiliente, baixas taxas juro deverão apertar resultados dos bancos norte-americanos

A época de resultados trimestrais nos Estados Unidos arranca esta semana com os seis maiores bancos de Wall Street, que apresentarem contas. As baixas taxas de juro deverão ser o maior aperto às receitas da ‘elite’ financeira norte-americana. Subidas dos resultados em segmentos de negócio não ‘core’ deverão suportar resultados.
Recomendadas

PSD diz que “começa a ser evidente” necessidade de uma comissão de inquérito ao Novo Banco

Em causa está mais um negócio ruinoso do Novo Banco para o Estado português, desta vez com a venda a preços de saldo de uma seguradora a um fundo detido por um milionário condenado por corrupção. Os social-democratas dizem que comissão de inquérito é essencial para se perceber como forma feitas as compras e vendas de ativos do banco.

ASF esclarece que não se opôs à venda do GNB porque Lindberg não seria o beneficiário final

Supervisor de seguros português reitera que apenas se pronunciou sobre idoneidade e capacidade de assegurar gestão sã da GNB pelo fundo Apax, no qual não detetou ligações com o empresário condenado por corrupção nos EUA.

Novo Banco: Marcelo não comenta venda de seguradora com 70% de desconto e diz que vai esperar pela auditoria

O Chefe de Estado disse que vai esperar pela auditoria à gestão do banco liderado por António Ramalho, pedida pelo Governo à Deloitte, e que as consequências dos negócios ruinosos do Novo Banco só poderão ser determinadas depois de conhecidos os resultados da auditoria.
Comentários