Luís Filipe Castro Henriques: “Temos de diversificar negócios e geografias”

O presidente da Aicep diz que “não podemos estar sempre a fazer o mesmo”.

Em entrevista ao Jornal Económico, Luís Filipe Castro Henriques diz que um dos grandes objetivos para reforçar as exportações e captar investimento estrangeiro para Portugal passa por diversificar setores e geografias. E entende que é “perfeitamente atingível” a meta das exportações a valerem 50% do PIB antes de 2025.

No ano passado, quanto valeram as exportações portuguesas face ao PIB?
Os números e teorias diferem. Mas diria que no ano passado as exportações portuguesas valeram entre cerca de 41% e de 42% do PIB nacional. É uma grande evolução, se tivermos em conta que antes de 2009 essa percentagem era abaixo de 30%. Entre 2009 e 2006, essa percentagem subiu, mas vale menos porque o PIB foi descendo, na sua grande maioria. O que nós queremos é que a percentagem das exportações suba sobre um PIB também ele em crescimento.

Quando pensa que se pode atingir a meta de as exportações nacionais valerem 50% do PIB, inscrita neste novo plano estratégico da Aicep?
Em termos de previsões, tenho muita consideração por Keynes e sei que mais vale estar vagamente certo do que precisamente errado. Mas estou convencido que o objetivo de as exportações nacionais valerem 50% do PIB é perfeitamente atingível até 2025. E na Aicep tudo faremos para que essa meta seja atingida o mais cedo possível nesse período que vai de 2020 a 2025.

Quanto ao investimento estrangeiro, qual o valor captado pela Aicep nos últimos anos e as previsões para os próximos?
Nos últimos três anos, conseguimos captar um média de 300 milhões de euros de IDE a mais do que nos anos anteriores. Tem sido uma média de mil milhões de euros de IDE por ano face a um valor que oscilava entre 600 e 800 milhões de euros nos anos precedentes. É essa meta de manter 300 milhões de euros, em média, por ano, de IDE a mais, que queremos manter para os próximos anos. Mas não podemos estar sempre a fazer o mesmo, temos de diversificar setores e mercados, e isto também é válido para as exportações.

Recomendadas

Como a tecnologia do ‘Candy Crush’ pode maximizar o potencial das empresas

O ‘Agile’ é uma metodologia de produção de software que cria valor do produto tecnológico mais cedo. Apesar de ainda não estar generalizada nas organizações, há uma app de sucesso foi criada pela ‘Agile’ e que os portugueses conhecem bem.

Transporte de passageiros por via aérea desacelerou no segundo trimestre

Dados do Instituto Nacional de Estatística (INE) relativos à atitivade dos transportes indicam ainda que os movimentos de mercadorias aumentaram pela via marítima e ferroviária.

Concretizado primeiro passo da integração da AICCOPN com a AECOPS

Associações setoriais da construção foram finalmente sensíveis a razões de racionalidade associativa que há muito vinham sendo evidentes.
Comentários