Luís Menezes diz que PSD teve uma “derrota enorme” e aponta culpas a Rui Rio

O filho do ex-presidente de Vila Nova de Gaia diz que Rui Rio quebrou o um ciclo de vitórias do PSD em legislativas e mostra que a estratégia da atual direção estava”errada”.

O ex-deputado social-democrata Luís Menezes acusa o líder do Partido Social Democrata (PSD), Rui Rio, de ser o responsável pela “derrota enorme” do partido nas eleições legislativas deste domingo. O filho do ex-presidente de Vila Nova de Gaia diz que Rui Rio quebrou o um ciclo de vitórias do PSD em legislativas e mostra que a estratégia da atual direção estava”errada”.

“O facto é só um. O Dr. Rui Rio quebrou o ciclo de vitórias nas Legislativas que o PSD tinha desde 2011. Tivemos o pior resultado da nossa história, dos últimos 40 anos, pior ainda em número de votos do resultado que Mota Pinto teve em 1983”, afirmou Luís Menezes, filho de ex-presidente de Vila Nova de Gaia, Luís Filipe Menezes, no “Fórum TSF”.

Luís Menezes disse ainda que esta foi “uma derrota pior que [Pedro] Santana Lopes teve em 2005 e que [Manuela] Ferreira Leite teve em 2009” e não se pode “comparar isto com resultados de autárquicas e europeias”, tal como fez Rui Rio, na reação aos resultados eleitorais.

“Nunca nenhum líder com menos de 30% no PSD, pelo menos na era moderna do partido, deixou de fazer a sua análise e de sair imediatamente. Acho que este resultado é uma enorme derrota para o partido e uma enorme derrota pessoal para Rui Rio, que mostra que a sua tática estava errada”, salientou Luís Menezes, em declarações transmitidas pel rádio.

O PSD conseguiu 27,9% dos votos nas eleições legislativas, o resultado mais baixo desde 1983, em que o partido conseguiu apenas 27,74%. Em comparação com os resultados de há quatro anos, o PSD elegeu menos 12 deputados e não conseguiu eleger nenhum deputado em Évora, Beja e Portalegre. Ainda assim, Rui Rio considerou que o resultado foi “idêntico ao de 2015”.

Recomendadas

Líderes europeus querem evitar a todo o custo novo encerramento de fronteiras, sublinha António Costa

No final do Conselho de Ministros extraordinário desta quinta-feira, António Costa explicou os compromissos e estratégias acertadas entre os líderes dos 27 estados-membros do bloco europeu, sublinhando que a responsabilidade de conter a pandemia e evitar o colapso dos sistemas de saúde é, agora, de cada um “individualmente”.

França vai gastar 15 mil milhões de euros com medidas de contenção para conter novo coronavírus

“Vamos reforçar todos os dispositivos de ajuda”, afirmou o governante, especificando que seis mil milhões respeitam a fundos de solidariedade, sete mil milhões para desemprego parcial (o designado ‘lay-off’), mais de mil milhões para exonerações de contribuições sociais e outro tanto para assumir custos de empresas com alugueres.

“Não desistimos de nenhuma batalha antes de acabar”. PCP apresenta propostas de alteração ao OE 2021

Entre as medidas apresentadas, no campo da justiça fiscal, João Oliveira anunciou que os comunistas pretendem a “atualização dos escalões IRS, o aumento de mais um escalão neste imposto aumentando a progressividade do mesmo, bem como o aumento dos chamados valores do mínimo de existência e dedução especifica, permitindo cumprir o objetivo de redução da tributação dos rendimentos mais baixos, intermédios”.
Comentários