Luís Montenegro acusa membros da Comissão Permanente do PSD de estarem a abordar os seus apoiantes

Candidato à liderança social-democrata reage a acusações de que estará a prometer lugares aos apoiantes de Miguel Pinto Luz que irão votar em si na segunda volta das diretas. E garante: “Os nossos adversários políticos estão desejosos de que Rui Rio continue a liderar o PSD.”

O candidato à liderança do PSD Luís Montenegro, que vai disputar com Rui Rio a segunda volta das eleições diretas para a presidência do partido, acusou membros da Comissão Permanente e da Comissão Política Nacional de estarem a contactar alguns dos seus apoiantes. “Estão a abordar pessoas que têm manifestado apoio à minha candidatura no sentido de lhes falar de opções nas eleições autárquicas e estruturas autónomas”, disse o antigo líder do grupo parlamentar social-democrata numa entrevista à Antena 1, reagindo às acusações de que estará a oferecer lugares nos órgãos do partido ou nas listas para os próximos atos eleitorais aos apoiantes de Miguel Pinto Luz que decidiram ir votar em si no próximo sábado.

“Tem de haver limites. Não aceito estar sistematicamente a ser alvo deste tipo de insinuações e assistir impávida e serenamente àqueles que insinuam, àqueles que acusam, àqueles que lançam para o ar as suspeitas, fazerem precisamente aquilo de que pretendem acusar os outros. Já basta”, disse o segundo candidato mais votado na primeira volta das eleições diretas, realizada no sábado passado, tendo consigo 13.137 militantes (41,42%), enquanto Rui Rio conseguiu 15.546 votos (49,02%) e Miguel Pinto Luz teve 3.030 votos (9,55%). Ainda assim, Montenegro considera que “a eleição está em aberto”, destacando o facto de Rio ter perdido sete mil votos em relação às diretas de 2018, quando sucedeu a Passos Coelho após derrotar Pedro Santana Lopes.

Referindo-se à atual direção social-democrata como “absolutamente divisionista”, Montenegro garantiu que pretende ser um “agregador” se suceder a Rui Rio na liderança, sendo esse um cenário que considera indesejado pelo primeiro-ministro António Costa, que descreveu como alguém que “anda à solta na política portuguesa”. “Os nossos adversários políticos estão desejosos de que Rui Rio continue a liderar o PSD”, sentenciou o antigo líder do grupo parlamentar de Passos Coelho, de quem é próximo, apesar de o antigo primeiro-ministro não lhe ter chegado a declarar publicamente apoio no processo eleitoral em curso.

Sobre isso, Montenegro disse à Antena 1 que percebe “muito bem que aqueles que estiveram na liderança nos últimos anos tenham mais recato na intervenção numa contenda interna”. No entanto, deixou clara a convicção de que conta com o apoio de outros ex-presidentes sociais-democratas além do apoiante declarado Rui Machete: “Sei que há muitos líderes do PSD que estiveram na liderança nos últimos anos que votam em mim e que me apoiam. Não tenho dúvida nenhuma sobre isso.”

Recomendadas

OE2020: ‘coligação negativa’ para descer IVA da eletricidade ganha força e faz tremer Governo

O PSD e PCP estão disponíveis para negociar com o BE. Dizem que um eventual apoio a propostas semelhantes de outros partidos não deve ser “diabolizado” e não seria “nenhuma coligação circunstancial ou negativa”. O BE diz que não desiste da redução do IVA da eletricidade para a taxa mínima, mas deixa em aberto uma eventual negociação com o PSD e PCP. PS garante estar empenhado contra “coligações negativas”.

Iniciativa Liberal responde a “taxa Netflix” do Bloco com fim de todas as taxas de televisão

Proposta de alteração à proposta do Orçamento do Estado para 2020 também defende fim da contribuição audiovisual, que seria a consequência da privatização da RTP. E que na cultura “se deve incentivar a procura, ao invés de se dar subsídios à oferta, muitas vezes de forma pouco transparente”.

Elisa Ferreira: “Europa tem de começar a pensar seriamente em reforçar o orçamento com recursos próprios”

A comissária europeia para a Coesão e Reformas lamentou a proposta da Finlândia de alocar 1,07% do rendimento nacional bruto dos Estados-membros ao orçamento comunitário e admite que seria preciso ter ido “mais longe” mesmo na sugestão da Comissão, que é de 1,11%.
Comentários