Luís Silva candidata-se a presidente do Conselho Regional de Lisboa da Ordem dos Advogados

O advogado e vice-presidente desta estrutura apoia e integra a candidatura de Luís Menezes Leitão a bastonário. A formalização acontece no final de maio.

O advogado Luís Silva vai formalizar, no final de maio, a sua candidatura à presidência do Conselho Regional de Lisboa (CRL) da Ordem dos Advogados (OA) para o triénio 2020-2022. O atual primeiro vice-presidente do maior conselho regional do país irá apoiar e integrar a candidatura de Luís Menezes Leitão a bastonário.

Entre as suas principais bandeiras está a luta contra o conformismo e a alteração do paradigma da classe, que, na sua opinião está “esgotado” e não satisfaz “as necessidades atuais dos advogados”.

“É meu dever intervir neste momento para quebrar a tendência para a inércia, intervir com coragem e frontalidade assumindo que o CRL tem de sair de uma certa apatia por falta de alternativas, sair da zona de conforto, de um certo «conformismo» e antes alterar o paradigma esgotado e que demonstrou não satisfazer as necessidades atuais da classe”, defende.

Licenciado em Direito pela Faculdade de Direito de Lisboa da Universidade de Lisboa, Luís Silva exerce a profissão há três décadas. Atualmente é responsável pelos seguintes pelouros no CRL: representação institucional, congresso dos advogados, dispensa de sigilo profissional, comissão para as reformas legislativas, parcerística, relatório da justiça, recursos humanos e instalações, relações internacionais, Caixa de Previdência dos Advogados e Solicitadores, sociedades e Direitos Humanos.

A candidatura que irá formalizar no final deste mês tem como lema «Proximidade, Diálogo e Compromisso» e um dos seus objetivos é colocar o CRL “verdadeiramente ao serviço dos advogados”. Luís Silva tem diversas dúvidas que quer ver respondidas: “Os meus Colegas sentem-se identificados com o CRL? Consideram que o CRL tem dado uma resposta adequada? Para que vos serve a Ordem?”.

“Candidato-me a presidente do CRL acompanhado por uma equipa experiente e com objetivos de trabalho muito claros que, como eu, acredita que é possível fazer mais, muito mais, pela classe, por todos os advogados por ele inscritos, de acordo com a sua multiplicidade fazendo incluir desde o advogado da prática individual às grandes sociedades, passando pelo advogado de empresa”, explica o advogado, frisando que uma das suas metas é fazer com que os profissionais da advocacia sintam orgulho em exercer as suas funções.

Ler mais
Relacionadas

Luís Menezes Leitão anuncia candidatura a bastonário da Ordem dos Advogados

Professor da Faculdade de Direito afirma que vai prescindir do ordenado da Ordem, uma vez que não quer ser um funcionário daquela estrutura.
Recomendadas

Um ano de aplicação do regulamento de dados sem lei portuguesa para o executar

Portugal continua sem lei para executar o Regulamento Geral de Proteção de Dados (RGPD), que cumpre hoje um ano de aplicação em toda a União Europeia, preparando-se o parlamento para aprovar o diploma nas próximas semanas.

Saiba em que casos as empresas podem controlar trabalhadores com recolha de dados biométricos

Embora o Regulamento Geral sobre a Proteção de Dados (RGPD), que foi entrou em vigor há um ano, proíba o tratamento de dados biométricos, há exceções previstas na lei que possibilitar às empresas usar esta informação para controlar a assiduidade dos trabalhadores. Saiba quais.

Em defesa dos atos próprios dos Advogados

A Advocacia Preventiva é fundamental para o normal desenrolar da atividade económica e para a dinâmica dos negócios.
Comentários