Luxemburgo torna-se o primeiro país do mundo com transportes públicos gratuitos

Medida é válida e entrará em vigor no verão do próximo ano.

O Luxemburgo vai ser o primeiro país do mundo onde os tranportes públicos serão gratuitos para todos. A medida faz parte de uma promessa do governo de coligação reeleito no passado mês de outubro, liderado por Xavier Bettel, que tomou posse esta quarta-feira.

O objetivo desta medida é reduzir o impacto da emissão de gases poluentes com origem no tráfego rodoviário e motivar a mudança na utilização de automóveis particulares no Luxemburgo, onde o congestionamento do trânsito é um problema, em especial no centro das grandes cidades.

Diariamente o país acolhe 200 mil pessoas provenientes da Bélgica, França, Alemanha, sendo que na capital onde vivem 110 mil pessoas, deslocam-se para trabalhar 400 mil cidadãos vindos do resto do país ou de países vizinhos.

Esta medida entrará em vigor no verão do próximo ano e é válida tanto para os habitantes locais como para as centenas de pessoas que todos os dias se deslocam ao país para trabalhar. Até agora, os jovens com menos de 20 anos já viajam gratuitamente nos transportes públicos, estando os restantes preços dos bilhetes ao valor de dois euros até duas horas de viagem.

Recorde-se que, após as eleições nacionais, o governo luxemburguês concordou em aumentar o salário mínimo em 1,1%, uma subida de 20 euros. Para o trabalhador não qualificado, o salário mínimo atinge os 2.071.07 euros e para os trabalhadores qualificados o rendimento é agora de 2.485.29 euros, anunciou o ”Luxembourg Times’‘.

 

Ler mais
Recomendadas

Mais de uma dezena de feridos em manifestação em Atenas contra designação da Macedónia

Mais de uma dezena de pessoas ficaram feridas hoje, em Atenas, nos violentos ataques registados durante uma manifestação contra a ratificação do acordo que prevê a alteração do nome da Antiga República Jugoslava da Macedónia para Macedónia do Norte.

Manifestação contra o aborto e eutanásia junta milhares de pessoas em Paris

De acordo com a agência AP, o grupo de manifestantes apelou a que os médicos deixem de realizar abortos, alegando para isso “objeção de consciência”. Em França são realizados, anualmente, cerca de 200.000 abortos.

Papa pede orações por quem tem responsabilidade pelas mortes no Mediterrâneo

“Penso nas vítimas dos naufrágios no Mediterrâneo. Procuravam um futuro para a sua vida. Vítimas quiçá de traficantes de seres humanos. Rezemos por eles e por todos os que têm responsabilidades no que sucedeu”, disse Francisco durante a celebração do Angelus, na Praça de São Pedro, Cidade do Vaticano.
Comentários