Luxo, produtos de consumo e consultoria são os setores com mais reputação em Portugal

Entre os setores com reputação moderada ficaram os brinquedos (68,8 pontos), viagens e lazer (61,7), automóvel (63,1), saúde e bem estar (64), desporto e apostas (61,7), energia e serviços (61,4), media e telecomunicações (60,3) e mobilidade (60), segundo um estudo da consultora OnStrategy.

Thomas Peter/Reuters

Com o aumento o aumento do turismo em Portugal, a indústria do luxo portuguesa tem apresentado uma trajetória ascendente desde 2016. A evolução no índice de reputação traduz-se numa subida de 5,7 pontos em comparação com a pontuação recebida há cerca de três anos, sendo que o setor estava registado como moderado, com uma pontuação de 69,1, e este ano alcançou 74,8, revela o estudo “Top Industries RepScore“, elaborado pela consultora OnStrategy.

No ranking de 2019, apenas dois setores se apresentam com uma classificação considerada robusta, com uma pontuação que varia entre os 70 e 79 pontos, que são o luxo e os produtos de consumo. Em Portugal, estima-se que o segmento de luxo possa valer 5% do PIB.

Segundo o estudo, os primeiros três lugares ficaram completos com o setor de consultoria, auditoria e serviços legais, que alcançaram uma classificação de 71,4, depois de uma subida de 2,8 pontos. Entre os setores moderados ficaram os brinquedos (68,8), viagens e lazer (61,7), automóvel (63,1), saúde e bem estar (64), desporto e apostas (61,7), energia e serviços (61,4), media e telecomunicações (60,3) e mobilidade (60).

A alimentação e bebidas, em conjunto com a tecnologia, registaram as descidas de reputação mais expressivas, caindo de 73,9 para 69,6 e de 71,6 para 65,1, respetivamente. Por sua vez, os setores que ficaram em posições vulneráveis foram o financeiro-segurador, com 54,6 pontos, financeiro-banca, com 51,2 pontos, e construção e engenharia, com 47,5 pontos.

Pedro Tavares, diretor executivo da OnStrategy, revela que “a economia portuguesa está a experenciar um ciclo de crescimento moderado”, enquanto cumpre as metas orçamentais nacionais e europeias, sendo que os índices de confiança do consumidor acompanham o crescimento.

O estudo da OnStrategy foi elaborado em conjunto com mais de 40 mil cidadãos portugueses, representando diversas distribuições geográficas, géneros, idades e graus de formação. De acordo com o diretor executivo, “todos estes fatores contribuem para uma melhoria ou manutenção dos indicadores de reputação dos setores de atividade nacionais”.

Ler mais
Relacionadas

Farfetch entra no mercado do luxo em segunda mão

Uma nova plataforma da Farfetch vai ser lançada pela empresa no Reino Unido. Chama-se Farfetch Second Life e para já está aberto apenas a malas, a maior categoria no mercado de venda de segunda mão. Mas em breve poderá receber outros produtos de luxo já usados.

Maiores marcas de luxo do mundo faturaram 247 mil milhões. Quais as líderes do mercado?

Um estudo da Deloitte concluiu que os grupos LVMH Moët Hennessy Louis Vuitton, Estée Lauder e Richemont não perderam o trono e estão cada vez mais de olho nos chamados “HENRYs” (leia-se: ganham bem mas ainda não são ricos). Já os portugueses ajudaram nas vendas da Furla.
Recomendadas

PremiumLuísa Augusto: “Os ciberataques estão a mudar diariamente”

A ‘associate director’ da Accenture Technology explica como a tendência tecnológica “Secure Us to Secure Me” é uma das que as organizações devem considerar para serem bem-sucedidas.

Carlos Pinto de Abreu apoia português acusado de ajuda à imigração ilegal

A sociedade de advogados está a prestar apoio jurídico a Miguel Duarte através de uma equipa liderada pelos sócios Vânia Costa Ramos e Rui Elói Ferreira.

Direito a desligar do trabalho: o novo projeto de lei e onde não se pode falhar

O grupo parlamentar do PS esteve bem ao não se deixar influenciar pela proposta do legislador francês de apenas prever o direito a desligar para o universo de empresas com 50 ou mais trabalhadores.
Comentários