Luz Saúde aumenta lucros para 9,4 milhões de euros

O grupo manteve a sua trajetória de crescimento orgânico combinado com a expansão geográfica da rede de cuidados privados.

O grupo hospitalar Luz Saúde registou, no final do primeiro semestre do ano, um aumento do resultado líquido atribuível aos acionistas de €9,4 milhões de euros, representando um crescimento de 7,7% face ao período homólogo; ao mesmo os rendimentos operacionais consolidados em 13,5% face a 2017, para 273,7 milhões de euros, impulsionado pelo crescimento de 15,8% do segmento privado e de 5,1% do segmento público, adiantou o grupo em comunicado oficial.

Do mesmo modo, o EBITDA consolidado atingiu os 28,8 milhões no primeiro semestre de 2018, representando um crescimento de 7,3% face a 2017 e a margem EBITDA de foi de 10,5% (menos 0,6 pontos percentuais face ao período homólogo) – sendo “de referir que o segmento público (Hospital Beatriz Ângelo, em Loures) continua deficitário”.

O investimento total foi de 34,5 milhões de euros, dos quais 24,2 milhões representam investimento de expansão da rede privada: construção de uma nova unidade em Vila Real; aquisição do grupo Idealmed (composto por um hospital e quatro clínicas ambulatórias na região de Coimbra); abertura de uma nova unidade em Odivelas; aumento da capacidade do Hospital da Luz Lisboa; e a remodelação do Hospital da Luz Funchal e do Hospital da Luz Torres de Lisboa.

No segmento privado, o EBITDA atingiu os 31,3 milhões, com a margem EBITDA a decrescer de 16,6% em 2017 para 15,1% em 2018. “Parte desta evolução deveu-se a uma pressão generalizada para redução de preços por parte de algumas entidades pagadoras relevantes”.

O comunicado refere ainda que “as unidades adquiridas no último ano ainda estão em processo de restruturação profunda, o que prejudica a margem no curto prazo. É de assinalar o investimento operacional, traduzido nesta fase em custos com pessoal, para reforço das estruturas de apoio à atividade de aquisições, ao desenvolvimento de novas áreas de negócio e de serviço ao cliente, formação especializada e centralização de serviços, a par de reestruturações de pessoal ao nível das unidades, em harmonia com a estratégia de aumento de capacidade.

No segmento público, a margem EBITDA evoluiu de forma positiva de menos 5,9% para menos 3,4%, “resultado da melhoria contínua da implementação de medidas de aumento de eficiência”.

Genericamente, “no primeiro semestre de 2018, a Luz Saúde manteve a sua trajetória de crescimento orgânico combinada com a expansão geográfica da sua rede de cuidados privados e a implementação de um ambicioso programa de expansão das unidades existentes que irão servir de base ao crescimento do grupo”.

Ler mais
Recomendadas

Santander conclui integração dos clientes do antigo Banco Popular

A operação envolveu mais de cem pessoas e permitiu a integração de toda a atividade relacionada com os clientes vindos do extinto Banco Popular.

Moody’s sobe ‘rating’ da Brisa

O novo outlook está relacionado com o rating do país, que se reflete diretamente no desempenho da concessionária em termos de notações.

Empresas não financeiras com crescimento de 11% no volume de negócios

O setor não financeiro nacional apresentou índices de crescimento assinaláveis em quase todos os itens da sua atividade em 2017, revela um estudo da Iberinform. O capital próprio destas organizações cresceu 7,7% (11.996 milhões de euros), para 168.121 milhões de euros.
Comentários